domingo, 23 de junho de 2019

A orangotango que se transformou em 'pessoa' na Argentina

História do dia. Um retrato do que é a espécie humana. A propósito, vale a pena ver o documentário A juíza, no Belas Artes.



Sandra, a orangotango que se transformou em 'pessoa'

Sandra tem 33 anos e vive no Ecoparque de Buenos Aires. É uma orangotango mestiça a quem a Justiça argentina reconheceu seus direitos como "pessoa não humana".

Enric González, 22/6/2019.

Sandra nasceu em 14 de fevereiro de 1986 no zoológico de Rostock, na então República Democrática Alemã. Não se sabe muito sobre sua infância, exceto que sua mãe a rejeitou. Cresceu na solidão. Enviaram-na para o zoológico de Gelsenkirchen e em setembro de 1995, aos 9 anos, foi vendida para o zoológico de Buenos Aires. Lá encontrou um companheiro temporário com quem engendrou Sheinbira, uma fêmea. Sandra repetiu a história da família: não quis a cria. Como sua própria mãe, não tem instinto maternal. De Sheinbira se perdeu a pista. Foi comprada por um intermediário e acredita-se que esteja em algum lugar da Ásia. Sandra continua sozinha. É o único animal dessa espécie na Argentina.

Até aqui é a história previsível de um animal em cativeiro. O que aconteceu a partir de 2014 é muito menos previsível. A Associação de Funcionários Públicos e Advogados pelos Direitos dos Animais (Afada), representada pelo advogado constitucionalista Andrés Gil Domínguez, considerou que a situação de Sandra, "encerrada em uma caixa de concreto", era intolerável e recorreu aos tribunais para exigir que deixasse de ser considerada "coisa" ou "objeto", conforme estabelece o Código Civil e Comercial da Argentina. Em março de 2015, o assunto chegou ao Tribunal Contencioso, Administrativo e Tributário número 4 da Cidade de Buenos Aires, dirigido pela juíza Elena Liberatori. E aí começou a ser gestada uma sentença sensacional. Começou também a ganhar forma uma peculiar relação afetiva entre uma juíza progressista e acostumada à polêmica e uma orangotango solitária e, segundo seus cuidadores, cronicamente deprimida.

Clique AQUI para ler a íntegra da reportagem no El País. Crédito da foto: Natacha Pisarenko / AP. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.