quarta-feira, 31 de julho de 2013

Movimento Passe Livre volta às ruas contra corrupção tucana

Se dinheiro não fosse desviado por políticos e empresários corruptos, passagem poderia custar R$ 0,90.

Do Spresso SP.
Passe Livre, sobre propinoduto tucano: "Vamos às ruas no dia 14 de agosto"
Por Igor Carvalho
O Movimento Passe Livre anuncia que no dia 14 de agosto voltará às ruas. O grupo irá realizar uma manifestação em parceria com o Sindicato dos Metroviários de São Paulo, por conta do suposto propinoduto esquematizado nos contratos para as obras do Metrô, que pode ter desviado R$ 400 milhões dos cofres públicos. O caso, ocorrido em gestões do PSDB, foi denunciado pela multinacional Siemens.
"Nossa posição é que é um absurdo que o dinheiro público esteja sendo desviado do transporte. São mais de R$ 400 milhões desviados, isso daria para reduzir a tarifa a R$ 0,90", afirma Matheus Preis, militante do MPL-SP.
A manifestação do dia 14 de agosto ainda não tem um local definido. No dia 6 de agosto, o MPL vai divulgar, em parceria com os metroviários, uma carta à população, informando o local do protesto.
A íntegra.

A luta dos jovens e da nova imprensa contra a PM

O problema não é a polícia, ela é instrumento dos poderosos; o problema também não são todos os policiais, mas uma minoria que prejudica a imagem de todos. A questão é que a PM conserva a estrutura militar montada na ditadura, que alimenta a corrupção e a criminalidade; é despreparada para lidar com manifestações populares, que devem ser acompanhadas por polícia civil e desarmada, como os manifestantes. Não apenas o estudante não jogou o coquetel molotov, como ele foi arremessado por um policial infiltrado, como mostrou um vídeo da imprensa ninja.

Da revista Fórum.
Justiça arquiva processo contra acusado de lançar coquetel molotov durante manifestação 
A Justiça do Rio de Janeiro arquivou o processo contra Bruno Teles, estudante acusado de lançar um coquetel molotov contra policiais militares e de portar outros explosivos durante manifestação em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual do Rio de Janeiro. A decisão pelo arquivamento do processo foi tomada pela juíza Ana Luiza Coimbra Nogueira, da 21ª Vara Criminal, atendendo solicitação do Ministério Público.
O Ministério Público constatou que vídeos da manifestação comprovam que Bruno não estava no local de onde foram arremessados os coquetéis molotov. O órgão considerou que a palavra do PM que prendeu o estudante não é "indício suficiente de autoria para justificar a deflagração da instância penal, em não havendo outras provas". O MP também solicitou que a conduta do policial que prendeu Bruno seja investigada.
Durante a mesma manifestação em que Bruno foi detido, dois repórteres do Mídia Ninja foram presos sob acusação de incitação à violência. Por conta da prisão de manifestantes durante o protesto, uma multidão se concentrou em frente à 9ª Delegacia de Polícia do Catete até que os midialivristas fossem libertados, assim como outras oito pessoas detidas pela PM, o que ocorreu no mesmo dia em que foram presos. Somente Bruno continuou preso, mas no dia seguinte conseguiu um habeas corpus e foi liberado para responder o processo em liberdade.
A íntegra.

Quem é o coordenador da campanha do Aécio

Pimenta da Veiga recebeu R$ 450 mil de Marcos Valério no começo do esquema que transferiu verbas de estatais mineiras para a campanha dos tucanos e movimentou mais de R$ 5 milhões. Ele foi investigado pela CPMI e se afastou da política. Agora está de volta. Aliás, Aécio também recebeu dinheiro. A questão é que a "grande" imprensa finge que o "mensalão" tucano -- anterior e maior do que o petista -- não existiu.

Da Rede Brasil Atual.
Ex-ministro ligado a esquema de corrupção é escolhido para coordenar campanha de Aécio 
Pimenta da Veiga, ministro das Comunicações de FHC, está associado a esquema com Marcos Valério
por Helena Sthephanowitz
O candidato ao Palácio do Planalto em 2014 Aécio Neves (MG), apesar de eleito para o Senado, tem ocupado o seu tempo longe de Brasília. Na semana passada, ele definiu quem será o coordenador de sua campanha em Minas Gerais. O escolhido foi Pimenta da Veiga, ministro das Comunicações de Fernando Henrique Cardoso, que também coordenou a campanha à Presidência até o primeiro turno de José Serra em 2002, ano em que o tucano foi derrotado por Lula.
Os primeiros contratos dos Correios com as empresas de publicidade de Marcos Valério foram firmados com o Ministério das Comunicações, segundo relatórios da Polícia Federal, a partir do ano 2000. No entanto, desde 1998, Valério presta serviços ao tucanato. A Polícia Federal rastreou quatro depósitos feitos pelas empresas SMPB e DNA Propaganda à conta de Pimenta da Veiga, totalizando R$ 300 mil. Além disso, durante CPMI dos Correios instaurada em 2005 foi encontrado um contrato de empréstimo de R$ 152 mil no BMG no qual Veiga figura como devedor a Valério.
A operação considerada suspeita entre a estatal, a agência de publicidade de Valério e Veiga acabou indo parar no relatório da investigação. Em depoimento, os empresários Dennis Giacometti e Iran Castelo Branco, donos da empresa Giacometti, contaram que mais de 70% do lucro de R$ 9,7 milhões que eles obtiveram com o contrato com os Correios foram depositados em uma conta de Valério no Banco Rural. Ainda segundo investigação, a conta de Valério no Banco Rural é a mesma que abasteceu o "valerioduto".
Na CPMI, apareceu também um pagamento de R$ 150 mil, em 2003, das empresas de Marcos Valério para Pimenta da Veiga. Mas acabou em pizza quando o ex-ministro afirmou que se tratava de "consultoria jurídica".
Relatório da Polícia Federal aponta o esquema em Minas, de 1998, quando o atual deputado Eduardo Azeredo era governador, como seu principal beneficiário. Segundo a investigação, pelo menos R$ 5,17 milhões, em valores da época, saíram de estatais mineiras para o esquema de arrecadação paralela de recursos da campanha de Azeredo, por meio da SMPB.
A íntegra.

Negócios e insensibilidade

O sempre otimista Nassif faz uma interessante análise (de um aspecto) do capitalismo contemporâneo.

Do blog Luís Nassif Online. Coluna Econômica.
O negociador comedor de fígado
Luís Nassif
Um dos grandes empresários brasileiros, Walther Moreira Salles, fez carreira como investidor visionário mas, principalmente, pela confiabilidade que passava aos sócios. Contou-me certa vez que Nelson Rockefeller interessou-se em tornar-se sócio da Fazenda Bodoquena, que ele tinha em Mato Grosso. Acertaram o negócio, percentual e preço, e deixaram para sacramentar em Nova York.
Lá, um exército de advogados esmerou-se em encontrar pelo em ovo, chifre em cabeça de cavalo e dente em bico de galinha. Foram interrompidos por Rockefeller: "Já acertamos o negócio. O papel de vocês é facilitar, não o de dificultar".
Em parte essa gana do tecnocrata decorre do profundo sentido litigante implantado pela advocacia empresarial norte-americana. Em parte, pelo fim do capitalismo de família norte-americano, período que começa a se esgotar nos anos 1960, com o crescimento das sociedades anônimas e a diluição da herança das primeiras gerações capitalistas.
No modelo anterior, o poder era exercido por uma seleção restrita de famílias, o chamado grande mundo empresarial, um clube fechado ao qual poucos tinham acesso. Por restrito e baseado em relações pessoais, havia um conjunto de regras tácitas disciplinando as relações de negócio. Mesmo restrito, as regras de conduta e negociação acabaram se refletindo nos escalões inferiores das próprias empresas, forjando uma ética capitalista -- injusta para com os de fora, mas rigorosa para com os de dentro.
A íntegra.

Mais Médicos e ideologia

Que coisa mais mesquinha esse combate ao programa Mais Médicos. Os médicos brasileiros não são contra a vinda de médicos europeus, mas são contra a vinda de médicos cubanos. Como se os médicos formados na ilha pobre, que sobrevive ao cruel embargo do gigante rico americano há cinquenta anos, fossem guerrilheiros comunistas infiltrados para solapar as sólidas instituições democráticas brasileiras. Tacham-nos preconceituosamente de despreparados, quando são mundialmente reconhecidos como os melhores clínicos do planeta.
Enquanto isso, reportagem flagra médicos que batem o ponto em hospital público e vão embora. Não é novidade: há mais de 23 anos, o ex-ministro da Saúde Alceni Guerra fez uma visita de surpresa a um posto de saúde no Bairro do Horto, em Belo Horizonte, pediu a escala dos médicos e fez uma chamada; de uns vinte, apareceram cinco, para constrangimento do chefe, que ficou tentando explicar as ausências. Comentário do ministro (a reportagem foi publicada no Jornal do Brasil em 5 de maio de 1990): "Esta é a doença sistêmica".
Isso não significa que todos os médicos são assim; na medicina, da mesma forma que na polícia (e no jornalismo), há os maus e os bons (acho que estes são a maioria), e há ainda a instituição, que pode incentivar más práticas ou boas. Se a instituição favorece práticas ruins, é preciso mudá-la, assim como os bons médicos não podem proteger os maus e assumir posições corporativistas em detrimento da saúde pública e dos interesses coletivos.
E o fato é que faltam médicos.
Essa impressionante mobilização dos médicos brasileiros -- por que não se mobilizam assim pela saúde pública? -- está escrevendo uma das páginas mais negras da história da medicina, repleta de corporativismo, preconceito, ignorância e até ameaças.

Da Página do MST.  
"Medicina cubana ensina a atender o povo com qualidade e humanismo", afirma militante 
Por José Coutinho Júnior 
A Página do MST conversou com Augusto César e Andreia Campigotto, ambos militantes do Movimento e formados em medicina em Cuba. Nascido em Chapecó e com 25 anos de vida, Augusto César ainda não exerce a profissão. Está estudando para fazer a prova de revalidação do diploma cubano e, assim, poder atuar no Brasil. Quando conseguir seu registro, pretende trabalhar na área rural, atendendo os Sem Terra e os assentados da Reforma Agrária.
Andreia Campigotto tem 28 anos e nasceu em Nova Ronda Alta (RS). Trabalha em Cajazeiras, no sertão paraibano, como residente em medicina da família em uma unidade básica de saúde, que atende uma comunidade de 4 mil pessoas.
O curso de medicina cubano dura seis anos. Para estudantes de outros países, ele se inicia na Escola Latinoamericana de Medicina, localizada em Havana. Depois de um período inicial de dois anos, os estudantes são enviados para as diversas universidades do país. Augusto e Andreia foram para a universidade da província de Camagüey.
O curso de medicina cubano não difere muito do brasileiro, do ponto de vista curricular. "Os dois primeiros anos trabalham com as ciências médicas. Estudamos fisiologia humana, anatomia humana e desde o primeiro ano temos contato com os postos de saúde. Quando somos distribuídos para as universidades, vivenciamos o sistema público de saúde. Comparado com o Brasil, o nível teórico é igual, mas o nível de prática é maior", afirma Augusto.
"Um estudo do governo federal mostra a compatibilidade curricular dos cursos de medicina de 90% entre Brasil e Cuba. Então, não há grandes diferenças teóricas", conta Andreia.
A íntegra.

Manning é absolvido da acusação mais grave

Isto é: ajuda ao inimigo. Foi condenado nas demais acusações -- e, convenhamos, 154 anos já é prisão perpétua, até pra mais de uma vida. Mas é também um alento saber que a justiça americana não se curvou completamente ao terrorismo de Estado e que o NYT ainda considera fornecer informações à imprensa uma exigência da democracia. Já a Globo não se posiciona. E o presidente Obama mostra-se mais reacionário do que os piores presidentes republicanos. Sinais de um tempo de extremos. Nunca é demais assinalar que Manning foi processado e condenado por revelar crimes de guerra americanos e merece a admiração de todos os cidadãos do planeta, a começar por seus compatriotas -- qualquer ser humano são faria o que ele fez. De fato, ele é um heroi contemporâneo da humanidade que perde referências no seu caminho para a barbárie. O que deveria ter gerado um terremoto no poder americano só causou a perseguição a um soldado -- e à nova imprensa. Como denuncia a Anistia Internacional, os EUA estão "de cabeça para baixo": perseguem quem denuncia crimes, não quem os comete -- próprio Manning foi torturado, como reconheceu a juíza. Aliás, a "grande" imprensa também está de cabeça para baixo, uma vez que dá mais destaque ao julgamento do que às revelações do soldado, tratando o caso de forma "imparcial", sem tomar partido a favor da liberdade. Em outros tempos, a história de Manning, um rapaz de 25 anos que está preso desde os 22, geraria também um filme de Hollywood com grande repercussão mundial.

Do Opera Mundi.
Manning é condenado pela maioria das acusações, mas não por "ajuda ao inimigo" 
Pena máxima a qual o soldado norte-americano pode ser submetido é de 136 anos. Sentença deve ser divulgada amanhã

A juíza militar Denise Lind anunciou nesta terça-feira (30/7) o veredicto do soldado norte-americano Bradley Manning, responsável por vazar centenas de milhares de documentos secretos dos Estados Unidos para o Wikileaks, considerando-o inocente da acusação mais grave, de "ajuda ao inimigo". Entretanto, ele foi condenado por inúmeras violações à lei de espionagem, podendo ser sentenciado a uma pena máxima de 136 anos na prisão.
Entre as 17 acusações pelas quais Manning foi considerado culpado estão as de espionagem e de roubo de documentos sigilosos. Ele forneceu ao Wikileaks vídeos de ataques aéreos em que civis foram mortos, centenas de milhares de informações sobre incidentes nos fronts das guerras do Iraque e do Afeganistão, dossiês de homens presos sem julgamento em Guantánamo e cerca de 250 mil despachos diplomáticos.
O Wikileaks, de quem Manning foi fonte confessa, se manifestou através do Twitter, dizendo que as condenações são uma amostra de um "extremismo de segurança nacional perigoso por parte do governo Obama". O portal também afirmou que a condenação por cinco acusações de espionagem é "um novo precedente muito grave para o fornecimento de informações à imprensa".
A Anistia Internacional também se pronunciou, apontando que "é difícil não chegar à conclusão de que o julgamento de Manning teve o objetivo de enviar uma mensagem a todos: o governo dos EUA está atrás de você". Em comunicado, a instituição afirmou que "as prioridades dos EUA estão de cabeça para baixo", já que julgaram o soldado, mas se recusaram a investigar denúncias de tortura e outros crimes que violam leis internacionais.
A íntegra.

Do Uol Notícias.
Soldado Bradley Manning é absolvido da acusação de ajuda ao inimigo
Fort Meade (EUA), 30 jul (EFE) -- O soldado americano Bradley Manning foi absolvido nesta terça-feira de "ajuda ao inimigo" por divulgar documentos secretos para o portal Wikileaks, acusação pela qual o governo dos Estados Unidos havia pedido prisão perpétua sem possibilidade de redução de pena.
Manning, que foi acusado de outros 21 crimes, foi declarado culpado de violar a lei de espionagem ao vazar dados sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, assim como por divulgar mensagens diplomáticas, publicadas na internet pelo Wikileaks.
O soldado, de 25 anos e que já havia se declarado culpado de metade das acusações, saberá a sentença nos próximos dias, quando acabar a última fase do julgamento, na qual se decidirá a pena que deve cumprir e que começará nesta quarta-feira.
Manning foi considerado culpado de todas as acusações que enfrentava, com exceção do vazamento de um vídeo de um ataque no Afeganistão que supostamente aconteceu pouco depois que Manning chegasse ao Iraque para trabalhar como analista, o que a defesa sempre negou.
Excluindo "ajuda ao inimigo", todas as demais acusações somam uma pena máxima de 154 anos na prisão, embora a juíza militar Denise Lind deverá decidir na fase de sentença.
Manning passou mais de três anos na prisão desde sua detenção em maio de 2010 no Iraque. Devido aos maus-tratos durante sua reclusão, sob intensa vigilância e isolamento, a juíza Lind decidiu que a pena que receber seja reduzida.
A íntegra.

Do G1.  
Bradley Manning é absolvido da acusação de ter ajudado o inimigo
Crime poderia levar o soldado americano à prisão perpétua. Ele é responsável pelo maior vazamento de documentos secretos dos EUA.
Jorge Pontual, Nova York, EUA 

O soldado americano responsável pelo maior vazamento de documentos do governo dos Estados Unidos escapou da principal acusação, mas passará um longo período na cadeia. Bradley Manning foi absolvido da acusação de ter ajudado o inimigo, que poderia levá-lo à prisão perpétua. "Foi uma decisão sábia da juíza da Corte Militar", afirmou o The New York Times em editorial que sai na quarta-feira (31/7/13). Mas o jornal considerou injusto condenar Manning por violar a Lei de Espionagem.
O The New York Times foi um dos jornais que publicaram os documentos oficiais sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão, entregues pelo soldado ao saite Wikileaks. Para os promotores, Bradley Manning traiu o país e colocou vidas em risco.
Refugiado na Embaixada do Equador em Londres, na Inglaterra, Julian Assange, o fundador do Wikileaks, disse que a condenação dentro da Lei de Espionagem é "um precedente muito perigoso para o fornecimento de informações à imprensa".
Foi o que fez Edward Snowden ao revelar os programas americanos de espionagem. Hoje, o ex-técnico da CIA foge da Justiça americana. Ele está em uma área de trânsito do Aeroporto Internacional de Moscou.
O governo Obama superou todos os governos anteriores na perseguição a quem entrega documentos secretos a jornalistas.
A íntegra.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Brasil tem 17 médicos para 10 mil habitantes; Europa tem 33

O índice brasileiro é inferior ao das Américas e ao dos países emergentes. E muito inferior aos dos países desenvolvidos. Quando interessa, tais índices sempre são usados para dizer o quanto o Brasil está atrasado. Surpreendentemente, no entanto, os médicos brasileiros negam a falta de médicos.
O Conselho Federal de Medicina e os regionais -- se não todos, alguns expressivos, como o paulista e o mineiro -- dizem que o problema da saúde não é falta de médicos, é de estrutura. Sabotam o programa Mais Médicos, fazem passeatas e ameaçam entrar na justiça. Fica parecendo interesse corporativista -- ou político, porque o presidente do CFM é claramente tucano raivoso -- e que a saúde dos brasileiros é o que menos importa. Basta ler o enunciado: Médicos são contra Mais Médicos.
O problema é que não explicam por que são contra (dizer que mais médicos põem em risco a saúde da população é um disparate: o que põe em risco a saúde da população, obviamente, é a falta de médicos; além disso, a saúde brasileira já não é ruim, ou é ótima e corre risco de ficar ruim com "mais médicos"?), tampouco têm uma proposta alternativa à do governo. Não são a favor, não são propositivos -- são contra. Nós, pacientes, sabemos o que significa falta de estrutura, mas será que é a mesma coisa que eles? Na visão do paciente frequentemente falta de estrutura significa falta de médico, traduzida em longas esperas em postos de saúde e hospitais.
O fato é que faltam médicos sim, se não para os ricos e nas maiores cidades, pelo menos para os pobres, nas periferias e no interior. Quem disse isso não foi o governo federal, foi a Organização Mundial de Saúde, há mais de dois meses -- e não houve protestos contra os números divulgados pela OMS. Por quê?

Da Agência Estado.
OMS alerta para o baixo número de médicos no Brasil 
Segundo a OMS, há 17,6 médicos no Brasil para cada 10 mil pessoas. Número é a metade do encontrado em países europeus e Maranhão tem índice comparado a Iraque e Índia 

O Brasil tem, proporcionalmente à população, metade dos médicos dos países europeus - no Norte e Nordeste, essa taxa se aproxima à de alguns dos países mais pobres do mundo. Dados que serão divulgados nesta segunda-feira (20/5/13), pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na abertura de sua assembleia anual, em Genebra, revelam que a média de profissionais para cada 10 mil pessoas no Brasil está abaixo da do continente americano e é bastante inferior à dos países ricos.
O governo brasileiro vem discutindo a ideia de importar médicos, justamente para atender áreas de maior déficit. Se em alguns centros urbanos os números chegam a superar a média de países ricos, em outras regiões a penúria é dramática, com mais de 300 municípios em dificuldades.
Segundo a OMS, há 17,6 médicos no Brasil para cada 10 mil pessoas. A taxa é um pouco inferior à média do restante dos países emergentes -- 17,8. O índice também é inferior à média das Américas (mais de 20).
Mas é a comparação com os países ricos, principalmente da Europa, que revela a disparidade entre a situação no Brasil e nas economias desenvolvidas. Em geral, existem duas vezes mais médicos na Europa que no Brasil - 33,3 a cada 10 mil habitantes. São 48 médicos na Áustria a cada 10 mil cidadãos, contra 40 na Suíça, 37 na Bélgica, 34 na Dinamarca, 33 na França, 36 na Alemanha e 38 na Itália.
A íntegra.

Os EUA em guerra contra o mundo

Sem competidores reais desde o fim da II Guerra Mundial e sem qualquer sombra de rival desde o fim da União Soviética, há duas décadas, os EUA inventam inimigos e agora se voltam contra seus próprios filhos. Mas a justiça pode se distinguir dessa loucura que atinge o poder executivo, seja republicano, seja democrata. Tradicionalmente, a justiça anglo-saxã tem um papel humanista importante na História. Se ela estiver contaminada, e condenar o soldado, se for incapaz de distinguir entre os interesses do governo e os da sociedade, entre os interesses das grandes corporações e os da nação, será um péssimo sinal de que os grandes irmãos do Norte estão realmente, com perdão do trocadilho, desnorteados. Em outros tempos mais libertários, Manning seria considerado um patriota, um defensor da democracia.

Do Opera Mundi.
Juíza militar deve anunciar veredicto de Bradley Manning nesta terça
O soldado norte-americano pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado de "ajudar o inimigo"

O soldado norte-americano Bradley Manning, que admitiu ter vazado centenas de milhares de documentos secretos dos EUA ao Wikileaks, deve conhecer seu futuro na tarde desta terça-feira (30/7), quando uma juíza militar anunciará seu veredicto sobre o caso na base de Fort Meade, em uma cidade próxima a Baltimore.
Manning pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado da acusação mais grave apresentada contra ele: "colaboração com o inimigo". No dia 1º de julho, os promotores apresentaram evidências de que a rede terrorista Al Qaeda teria usado os documentos fornecidos pelo soldado e, na última quinta-feira (25), declararam que ele sabia que inimigos dos EUA usavam essas informações.
As alegações finais da defesa e da acusação foram concluídas na sexta-feira (26) após oito semanas de audiências e o veredicto deve ser anunciado pela juíza Denise Lind à uma da tarde no horário local, sem a presença de um júri, como foi pedido pelo próprio Manning. O soldado decidiu colocar seu caso nas mãos de uma única pessoa, em vez de um grupo de militares.
A juíza Lind é responsável por interpretar um caso que pode estabelecer os fundamentos sobre o que pode ou não ser considerado "cooperação com o inimigo" e que também pode ajudar o governo norte-americano em sua tentativa de perseguir judicialmente o Wikileaks e seu fundador, Julian Assange.
A íntegra.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Sede da empresa de Joaquim Barbosa é imóvel residencial do STF

Batman era um ídolo com pés de barro, como podia ver qualquer um no julgamento do "mensalão". Um juiz capaz de condenar sem ler os autos é capaz de qualquer coisa. Agia com a desenvoltura dos que têm certeza da impunidade -- tudo isso é absurdo se o sujeito é um juiz. Ele deve também ter contrariado o partido de oposição -- isto é, a "grande" imprensa --, que nas últimas semanas resolver fazer jornalismo e investigá-lo. Imagina se fazem isso também com Serra e Aécio. Não fazem, o que já indica qual é seu candidato. Demonstra também certa divergência no partido da oposição, pois veja e globo continuam enchendo a bola do Joaquim. O fato é que o presidente do STF passou da condição de paladino da moralidade pública a objeto de investigação, sujeito a graves penalidades.

Do Brasil 247.
Correio: Joaquim Barbosa é um fora da lei
Sede da Assas JB Corp, usada para comprar o imóvel em Miami, é o apartamento funcional que pertence ao Supremo Tribunal Federal, utilizado pelo ministro; de acordo com o decreto 980, de 1993, esse tipo de propriedade só pode ser utilizado para "fins exclusivamente residenciais"; informação foi confirmada pelo Correio junto ao Ministério do Planejamento e a Controladoria-Geral da União; além disso, Joaquim Barbosa também não poderia ser sócio de empresa, pois contraria a Lei Orgânica da Magistratura e o Estatuto do Servidor Público. “Essa lei aplica-se também aos ministros do STF. Portanto, o fato de um ministro desobedecê-la é extremamente grave e merece rigorosa apuração”, ressaltou Nino Toldo, presidente da Associação de Juízes Federais
A íntegra.

domingo, 28 de julho de 2013

Belo Horizonte 100% feliz

O Galo campeão da Libertadores foi derrotado pelo Cruzeiro. A partir de hoje, pelo menos até a próxima rodada dos campeonatos, a cidade está totalmente feliz. Seria demais, depois de tudo que vivemos nas últimas semanas, derrotar mais uma vez o rival. O jogo foi programado para a pior rodada possível, em mais uma demonstração de incompetência dos administradores do futebol brasileiro. Como se tornou regra, público e renda da partida não foram informados ao final do jogo; no velho futebol, jogado em velhos estádios, com ingressos a preços populares, invariavelmente por volta dos 40 minutos do segundo tempo a imprensa divulgava essas informações. Os reservas do Atlético devem ter compreendido agora o clima do clássico mineiro. O Cruzeiro é o clube que até agora apresenta futebol mais regular no campeonato, ao contrário de Fluminense, Corinthians, Internacional e Grêmio, e é sério candidato ao título. Coritiba e Botafogo são seus competidores mais fortes, mas vacilaram na rodada. O Atlético provavelmente não conseguirá pensar em outra coisa senão no título mundial, no fim do ano. O Ano do Galo pode ser também um bom ano para a raposa.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

O Brasil alvinegro e os presidentes

"O Brasil acordou alvinegro", escreveu a presidente da República em mensagem ao Clube Atlético Mineiro. O Galo é o time do coração da belo-horizontina Dilma Rousseff, assim como o Corinthians, campeão da Libertadores no ano passado, é o time do ex-presidente Lula.

Ironias do novo futebol brasileiro

A primeira conquista da Libertadores da América pelo Galo foi um acontecimento cheio de curiosidades e ironias também fora do jogo, que revelam esses novos e estranhos tempos do futebol. O Mineirão é do Cruzeiro e o Independência é do América, mas quem pôs sua marca nos dois estádios foi o Atlético. O Galo manda seus jogos no Independência, mas joga as finais no Mineirão. A arena moderna padrão fifa que o governo do estado deu de presente para amigos é incapaz de fazer o mínimo que seu negócio exige: deixar o público entrar para ver o espetáculo. Meia hora antes do começo do jogo, havia milhares do lado de fora, numa fila interminável, gente que pagou R$ 500 pelo ingresso e não conseguiu ver o jogo inteiro. Apesar de serem menos de 60 mil, metade do que o "velho" Mineirão chegou a receber. E sobraram mais de 3 mil lugares. Diante do tumulto, a administração do estádio liberou as moderníssimas catracas -- nada a ver com o movimento passe livre e sim com incompetência administrativa. A renda do jogo de ontem foi de R$ 14 milhões 176 mil, recorde nacional e o dobro da recorde anterior, também recentíssimo, da partida entre Santos e Flamengo, no Mané Garrincha. Preço médio do ingresso: R$ 250!

Do Uol Esportes.
Com renda inédita, Mineirão tem público menor do que a capacidade
Rodrigo Mattos

A final da Libertadores entre o Atlético-MG e o Olimpia foi um retrato da nova realidade do futebol brasileiro: renda milionária inédita, estádio com lugares vazios e campo reduzido. Um cenário que se espalha pelo Brasil por conta das arenas construídas para a Copa-2014 no padrão Fifa, mas nem por isso acabou com a bagunça nos serviços aos torcedores.
A receita obtida com o jogo atingiu R$ 14,176 milhões, praticamente o dobro do arrecadado na partida entre Santos e Flamengo, no Estádio Mané Garrincha, também neste ano, que era o recorde anterior. Ambas as partidas ocorreram em novas arenas do Mundial, ambas não tiveram ingressos mais baratos do que R$ 100.
Em compensação, havia 58.620 pessoas presentes, para um total de 56.550 pagantes. Só que a capacidade do Mineirão é de 62.100 torcedores. Ou seja, havia mais de 3 mil lugares que não foram ocupados, ou porque não foram vendidos ou porque estavam disponíveis e não foram comprados.
A íntegra.

A Revolução Espanhola de 1936

Documentário feito no começo da guerra civil espanhola (1936-1939), que se tornou uma avant-première da II Guerra Mundial; nela, a Alemanha nazista apoiou os golpistas, assim como a igreja católica, as "democracias" que depois formariam os "aliados" conciliaram e a União Soviética stalinista vacilou. A resistência ficou por conta da gente comum do povo e dos revolucionários que acorreram de todas as partes do mundo para defender a República. De posse das armas mais modernas da época, o franquismo, versão espanhola do fascismo, massacrou milhões e implantou uma ditadura que sobreviveu até os anos 70. Os revolucionários espanhóis foram os primeiros a compreender o significado do fascismo e se tornaram mártires da liberdade. O conflito deu origem a grandes obras literárias e a rivalidade entre a republicana Barcelona e a realista Madri vai muito além do futebol. Uma aula de história.

Da Biblioteca Terra Livre.

Desejos de um Homem Bom

Era um homem bom. Um raro homem bom. Um homem bom e rico. Um raro homem bom e rico, belo-horizontino e torcedor do Clube Atlético Mineiro. Bom pai, bom marido, bom filho, bom amigo, bom patrão. Aqueles que acham que é impossível ser bom sendo capitalista se espantariam diante daquele homem bom: ele fazia por seus funcionários muito mais do que a lei exigia. Financiava a compra de moradia em bairros próximos da empresa, para facilitar o deslocamento; pagava-lhes um bom plano de saúde – o mesmo que atendia a sua família; pagava escola particular para os filhos de todos eles – as mesmas escolas onde estudavam ou tinham estudado seus filhos; dava participação nos lucros e nas decisões da empresa. Era um patrão tão bom que levantava suspeita entre seus pares, os quais, ano após ano, vaticinavam sua falência. Mas o homem bom era também um bom homem de negócios e, ao invés de fracassar, seus empreendimentos só cresciam e davam mais lucro.

Bom patrão, era querido por seus funcionários. Bom amigo, era respeitado por outros homens de bem. Bom filho e bom pai, era venerado por sua família. Bom marido, era amado por sua mulher. Bom cidadão, era considerado como uma pérola da sociedade. Tinha tudo quanto queria – e nunca quis luxos e supérfluos, mas só a realização de necessidades e desejos que considerava legítimos para todos, aquilo que pudesse realizar com seu próprio esforço e a ajuda dos seus. Seus filhos eram bons e saudáveis, sua mulher era dedicada e apaixonada, seus negócios superavam as incertezas das crises econômicas e os obstáculos da burocracia honesta. Tinha, enfim, tudo quanto queria, exceto uma coisa, uma frustração, uma tristeza, que carregava evitando demonstrar, que só os mais íntimos conseguiam perceber: seu clube de coração andava mal, há muito tempo não ganhava um título importante, nem jogava bom futebol, nem entusiasmava seus torcedores. Angustiava-se por não conseguir transmitir às novas gerações – aos seus netos que começavam a nascer e aos filhos e netos dos seus amigos e funcionários – as razões daquela paixão tão forte por um clube decadente. (Esta história passa-se em 2009, talvez um pouco antes, talvez um pouco depois, certamente em algum momento entre 2007 e 2010.)

Mas o Homem Bom já se conformava com sua única frustração; tinha também outros interesses culturais, amava a literatura, o cinema e a música, e começava até a negligenciar seu clube de coração: faltava ao estádio, não acompanhava o noticiário esportivo, parou de assinar o peiperviu. Foi quando, casualmente, fazendo uma faxina periódica na velha biblioteca da casa dos seus pais, a casa da sua infância, entre livros empoeirados ele encontrou um jarro antigo e sujo, do qual não se lembrava. Assoprou o pó, limpou-o com curiosidade, lustrou-o até que brilhasse de novo sua beleza de estanho e destampou-o. Para seu enorme espanto – quem não se espantaria? – viu sair do jarro uma fumaça azulada que se transformou numa enorme figura de homem, etéreo, mas vestido, com roupas orientais e um gorro, e que pairava no alto olhando para ele, com os braços cruzados, olhar assustador e sorriso bonachão.

Em um gênio! Um gênio daqueles das histórias das Mil e Uma Noites, que sua mãe lia para ele antes de dormir, quando era pequeno. Com voz grossa e rouca, o gênio efetivamente identificou-se, agradeceu por sua libertação de um cativeiro que durava já mais de mil anos e comunicou-lhe que tinha direito à realização de três pedidos, como de praxe.

“Três pedidos!”, exclamou o Homem Bom. “Posso realizar seus três maiores desejos”, confirmou o gênio. O Homem Bom sorriu da situação e até pensou na ironia do destino: “tantos sofrem tantas carências e um gênio vai aparecer para mim, que tenho tudo e de quase nada preciso”. Cogitou em passar os desejos a outrem, mas, como se advinhasse seu pensamento, o Gênio esclareceu que aqueles desejos eram exclusivos de quem abriu o jarro e o libertou, se ele não os fizesse ninguém mais poderia fazê-los. Sem conseguir pensar em nada que não tivesse, que não fosse supérfluo ou luxo, ou não pudesse obter com seu próprio esforço, o Homem Bom estava a ponto de dispensar o Gênio, agradecendo sua consideração e concedendo-lhe a liberdade, quando lembrou-se do seu desafortunado clube de coração. Passou então por sua cabeça fazer três pedidos para melhorar a sorte do Galo e restaurar suas alegrias com o esporte das multidões.

"Eu queria que o Atlético fosse campeão da Libertadores", pediu o Homem Bom, timidamente, meio sem graça de fazer um pedido daquele.

Certamente, o Gênio nem sabia o que era futebol, muito menos Atlético e Libertadores. De fato, ele pediu explicações, que o Homem Bom forneceu, e, mesmo estranhando o pedido, respondeu: “Isso é fácil de conseguir. Vai levar algum tempo, mas posso conseguir”. “E o segundo pedido?”, perguntou.

Já se considerando o atleticano mais feliz na face da Terra, campeão da Libertadores, o Homem Bom entusiasmou-se, pensou mais um pouco, mas não conseguiu imaginar outro desejo tão importante quanto aquele, até que lembrou-se de um craque que admirava quase tanto quanto tinha admirado Reinaldo, Cerezzo, Éder e Luisinho, e ousou fazer o segundo pedido.

"Eu quero ver o Ronaldinho Gaúcho jogando no Galo”, disse. O Gênio estranhou ainda mais: O Homem Bom era mineiro e queria um jogador gaúcho... Pediu mais explicações – era um gênio muito inteligente, que pescava rápido as coisas – e tentou demover o Homem Bom do seu pedido.

"Ronaldinho Gaúcho é um jogador decadente, milionário, joga no exterior, já ganhou tudo que podia ganhar, por que trazê-lo de volta ao Brasil, para jogar em Belo Horizonte?", tentou argumentar. “Pede outro: o outro Ronaldo, por exemplo, o Ronaldão, o gordo. Ou um jogador mais novo. Quer ver?, tem um menino no Santos que promete, logo logo vai estourar, esqueci o nome dele, tem o mesmo nome do pai, por isso é chamado de Júnior.”

Mas o Homem Bom bateu o pé: ele queria ver Ronaldinho Gaúcho vestindo a camisa do Galo, um desejo que sempre considerou impossível, mas se o Gênio estava oferecendo, que cumprisse o prometido. E o Gênio teve de ceder, fazendo outra vez a ressalva: “Pode demorar um pouco, porque envolve cláusulas contratuais, grandes somas em dinheiro, patrocinadores, e certamente tem outros times brasileiros interessados nele, mas eu vou dar um jeito”, prometeu.

“E o terceiro pedido? Não vai pedir pra eu trazer o Telê para treinar o Galo vai? Nem vai querer também o Tostão, Pelé, Garrincha, porque eu sou gênio, mas ainda não faço milagres”, disse, com um ar zombeteiro – era um gênio muito inteligente, incrivelmente bem informado e já estava pegando a malandragem brasileira.

Na verdade, o Homem Bom já tinha pensado num terceiro desejo, mas ficou com vergonha de dizer. Riu de si mesmo, o Gênio percebeu e quis saber o que se passava na cabeça do outro. O Homem Bom pensava na razão de gostar tanto de futebol, de ter aquela paixão pelo Galo, e lembrou dos primeiros jogos a que assistiu, ainda menino, em companhia do pai, nas arquibancadas toscas do velho Estádio Independência, que lhe pareceram um lugar enorme, povoado por uma multidão alegre, fraterna e barulhenta, como jamais vira antes e não havia em outros lugares. Decadente e abandonado, desde a construção do Mineirão, o Independência era agora um estádio para jogos menores, sem importância. E num lampejo de loucura o Homem Bom fez seu último pedido:

"Eu quero que o Galo volte a mandar seus jogos no Horto!"

O Gênio, já sabendo dos investimentos milionários feitos em novos estádios no Brasil, questionou. "Mas jogar a Libertadores num estádio acanhado como o Independência? Nem cabe a torcida do Galo", argumentou.

O Homem Bom ouviu, pensou e reformulou seu pedido: "A final pode ser no Mineirão".

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Banqueiros ficam com o dinheiro do Mais Médicos, da tarifa zero, do Bolsa Família etc.

O que nós pagamos (isto é, o governo, usando o dinheiro dos impostos que recolhemos) de juros aos banqueiros dá para custear as principais demandas sociais do País. E ainda sobra dinheiro. E eles já ganharam mais do que ganham hoje.

Da Agência Carta Maior.
País gasta com juros 13 vezes o custo do programa "Mais Médicos"
Por Saul Leblon

Em média, o preço da supremacia financeira sobre a agenda fiscal custa R$ 200 bilhões por ano.
Cerca de 5% do PIB em juros pagos aos detentores de títulos da dívida pública.
Equivale a mais de dez vezes o custo do Bolsa Família que beneficia 13 milhões de famílias, 52 milhões de pessoas.
É quatro vezes mais o que supostamente custaria a implantação da tarifa zero no transporte coletivo das grandes cidades brasileiras.
Treze vezes o que o programa "Mais Médicos" deve investir até 2014 em obras em 16 mil Unidades Básicas de Saúde; na aquisição de equipamentos para 5 mil unidades já existentes; com as reformas em 818 hospitais; para equipar outros 2,5 mil e providenciar melhorias nas instalações de 877 Unidades de Pronto Atendimento.
Repita-se: o dinheiro destinado ao rentismo em um ano daria para ampliar em 13 vezes a escala e a intensidade do programa "Mais Médicos", atacando mais depressa as carências sabidas de infraestrutura e equipamentos de saúde.
Não serve de consolo, mas já foi pior.
No final do governo FHC, gastava-se quase 10% do PIB com juros.
A íntegra.

Jogar como campeão

A única forma do Galo ser campeão hoje é jogar como campeão: ignorar a falta do Independência, ignorar os dois gols de desvantagem, ignorar o peso de um adversário que tem três títulos, ignorar o peso que a camisa carrega desde 1978 e outros pesos. Enfim, mostrar em campo, nesta partida decisiva, o futebol que o faz ser melhor do que o Olímpia, o melhor time do Brasil e o melhor das Américas. Se forem merecedores da glória que está por vir, Ronaldinho e companhia jogarão esta noite futebol de campeão e darão à massa seu maior motivo de orgulho. Que tenham força para carregar esse peso colossal! 

Do blog Impedimento.
Só há um jeito de vencer
Daniel Cassol
Só há um time na obrigação de conquistar a Libertadores hoje à noite, no Mineirão. E é o Atlético, obviamente. Impossível haver time de futebol mais pressionado a não fracassar.
Para o Olimpia, o que vier é lucro. A despeito da folgada vantagem conquistada na primeira partida, no Defensores del Chaco, uma eventual perda do título não diminuiria a glória, que não tem preço, de chegar à sétima final de Libertadores do jeito que chegou, com salários atrasados e uma sorte de problemas e dificuldades. Se não conquistar sua quarta Copa, o Olimpia ainda terá três delas – e o seu maior rival seguirá sem nenhuma.
Sobre o Galo, no entanto, pesam os olhares de todos os abutres que confortavelmente repousarão sobre o sofá das salas de estar Brasil afora. Antes de qualquer outra categoria, os cruzeirenses e suas duas Libertadores. E o resto dos torcedores, com ou sem Libertadores, que desde antes do começo da competição estão esperando o momento de dizer que sempre souberam que o Galo amarelaria em algum momento dessa história.
A íntegra.

terça-feira, 23 de julho de 2013

O ministro gato do TCU

Quando a gente pensa que já viu de tudo, aparece um ministro no Tribunal de Contas da União cuja idade varia de acordo com as vantagens que ele pode tirar. É mais um exemplo que o judiciário de Joaquim Barbosa dá ao País.

Do Diário do Centro do Mundo. 
O estranho caso do ministro gato do TCU
Mauro Donato 

Apadrinhado de José Sarney, o ministro Raimundo Carreiro do Tribunal de Contas da União não chega a se comparar ao Benjamin Button do cinema. Rejuvenesceu apenas dois anos. E só no papel.
No futebol, chamamos isso de gato. Na política, podemos chamar de rato.
A intenção do ministro foi a de adiar sua aposentadoria em mais um biênio para, com isso, poder assumir a presidência do TCU quando chegar a sua vez. Sim, ela chegará, é garantida.
Como "a vez" de Raimundo Carreiro só se dará em 2016 e, pela data de nascimento do ministro (até então 1946), neste ano sua idade será/seria de 70 anos, avistou-se um problema. Aos 70 anos ele deverá aposentar-se obrigatoriamente e seus planos de assumir a presidência iriam por água abaixo.
O que fez Raimundo Carreiro? Deu um pulinho em São Raimundo das Mangabeiras, no Maranhão, e retornou com uma certidão de batismo na igreja, redigida a mão e datada de 1948.
Pronto.
Acontece que em 2006, quando nosso viajante no tempo atingiu 60 anos de idade por ter nascido em 1946, Raimundo Carreiro não se lembrou de nada disso e aposentou-se no Legislativo com uma remuneração de R$ 44 mil atualizados (que, é bom que se diga, ele hoje não recebe por não poder acumular aos proventos do TCU).
A íntegra.

Cemig: o maior imposto do Brasil

Os números estão discriminados no meio da conta, no canto esquerdo: tributos 34,47% e encargos, 5,94%. Já são 40,41% do valor da conta, mas ainda não é o preço final, que está lá embaixo, no canto direito, e sofre um acréscimo inexplicado de 8,7%. No fim das contas, o imposto chega a quase 50%! Pegue sua conta e confira.

Do Anonymous Brasil.
Cemig cobra 42% de imposto nas contas de luz de Minas Gerais
Movimentos populares, sindicalistas, professores, estudantes, trabalhadores sem-terra, agentes de pastorais sociais, atingidos por barragens se uniram para organizar um plebiscito em Minas Gerais. A votação será realizada de 19 a 27 de outubro, com o objetivo de levar à sociedade os questionamentos em relação ao valor da conta de luz praticada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), uma das mais caras dentre os estados brasileiros.
O coordenador geral do Sindicato dos Eletricitários (Sindieletro/MG) e secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT Minas), Jairo Nogueira Filho, destaca que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que incide sobre a eletricidade é calculado por um critério chamado 'tributação por dentro', no qual a base de incidência do imposto inclui o próprio imposto, taxas e tributos da conta.
A íntegra.


Cemig cobra 42% de imposto nas contas de luz de Minas Gerais

O Doi-Codi de Sérgio Cabral

Policiais infiltrados jogando coquetel molotov na polícia e agora um Doi-Codi do governo estadual. E o pai dele era de esquerda.

Do Viomundo. 
Cabral e seu Doi-Codi particular: o Ceiv
Por Bernardo Santoro
Uma das funções mais chatas do advogado é se manter atualizado sobre as novas leis. Cada nova lei é uma possibilidade potencial de enriquecimento do advogado. Dentro desse espírito empreendedor, estava lendo o Diário Oficial do Estado do Rio de hoje e logo de cara me deparo com uma monstruosidade: o Decreto 44.302/2013, que cria a Ceiv, Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações Públicas.
Em outras oportunidades já argumentei que direito de greve e de protesto não é bagunça, e que o direito de manifestação não pode impedir o direito de ir e vir de outras pessoas, além disso, é evidente que o vandalismo deve ser ferozmente coibido e qualquer crime deve ser sempre punido, realizado ou não em manifestações. Mas esse Ceiv passa de todos os limites razoáveis impostos pela democracia: cria um Doi-Codi fluminense em plena democracia.
A íntegra.

Arnaldo Baptista relança Singin' Alone

A capa polêmica da Rolling Stone

Eu também não li a revista, mas tenho simpatia pela RS, que tem feito jornalismo melhor (edição brasileira) do que o da velha grande imprensa. Além disso, mostrar só um ponto de vista é comportamento que serve aos poderosos. A imprensa que censura é a mesma que publica lixo.

Do Diário do Centro do Mundo.
A Rolling Stone americana acertou ao dar a capa com Jahar Tsarnaev 
Kiko Nogueira  

Uma polêmica selvagem está acontecendo nos Estados Unidos em torno da última edição da revista Rolling Stone. Ela traz na capa a foto de um dos irmãos Tsarnaev, o sobrevivente  Jahar (ou Dzhokhar), com a chamada "The Bomber".
Bancas avisaram que vão boicotar. O prefeito de Boston escreveu uma carta aberta expressando sua indignação. Mais de 10 mil comentários, a imensa maioria de desaprovação, foram deixados na página da RS no Facebook. A ultraconservadora Fox chamou a publicação de criminosa (se você tem dúvida sobre algum assunto, veja o que pensa a Fox e opte pelo contrário).
A reação forçou os editores a soltarem um comunicado oficial. "O fato de Dzhokhar Tsarnaev ser jovem, e parte do mesmo grupo de muitos de nossos leitores, torna ainda mais importante que examinemos as complexidades desse assunto e tentar uma compreensão mais completa de como uma tragédia destas ocorre."
O detalhe mais importante: ninguém leu a matéria.
Dada a repercussão em torno do retrato, ela acabou sendo publicada online. A revista está correta. A reportagem, longa, apurada ao longo de meses e bem escrita, tem o padrão da velha Rolling Stone — que está morrendo, mas ainda dá seus suspiros. Não é elogiosa ao personagem, mas não o poupa. Trata com complexidade um tema complexo. É absolutamente relevante. É polêmica. Ajuda a pensar. 

Por dentro da globo e da veja

Um dos maiores méritos do Diário do Centro do Mundo é mostrar ao leitor comum como funciona a velha imprensa. Abaixo, dois exemplos. A internet separou o trigo do joio.

Do Diário do Centro do Mundo.
O Sanatório Geral de Augusto Nunes
Paulo Nogueira
E então ficamos sabendo que o vencedor do concurso de títulos promovido por Augusto Nunes para um livro de Lula é O Bebum de Rosemary.
O segundo lugar é 50 Toneis de Pinga.
Imagino que seja para rir.
Comentei este concurso outro dia. Nele, Lula era chamado de ladrão, molusco, burro, cachaceiro, afanador e larápio.
Jornalista pode insultar alguém assim por ter microfone? Este era meu ponto.
Minha resposta: o artigo traduz o atraso da mídia brasileira, notadamente a da Veja e a de seu blogueiro, e a ausência de limites.
Por muito menos que isso a Justiça americana emparedou Paulo Francis, como todos sabemos.
E se alguém enveredar pela vida pessoal de Augusto Nunes? Tudo bem? Não, não está tudo bem.
A beleza de limites para abusos da mídia é proteger Augusto Nunes de jornalistas como Augusto Nunes.
Nestes últimos dias, por causa do concurso, acabei lendo textos dele.
Conheço muitas histórias de Augusto Nunes, mais do que gostaria, na verdade. Mas me recuso a usá-las. Digo apenas que ele atacar sistemticamente Lula pela bebida e pelas mulheres é uma das práticas mais hipócritas, cínicas e farisaicas que vi em toda a minha vida.
A íntegra.

Por que a Globo faz o que faz 
Paulo Nogueira
Nos últimos anos, a Globo se esmerou em práticas destinadas a sonegar impostos.
A transformação de funcionários caros em Pessoas Jurídicas, as PJs, por exemplo.
De vez em quando, isso traz problemas, mas o benefício parece ser muito maior que a custo nas contas da Globo. Neste momento, um dos PJs, Carlos Dornelles, trava uma disputa jurídica com a Globo.
Semanas atrás, em São Paulo, eu soube que o jornalista Paulo Moreira Leite – que eu contratara para a Época pela CLT, é claro – fora transformado em PJ depois de minha saída do cargo de diretor editorial das revistas da Globo. (PML hoje está na Isto É.)
É o chamado vale tudo para crescer.
Num ambiente de acentuado declínio das mídias tradicionais por conta da internet, você pode imaginar o grau de ansiedade – e agressividade — dos Marinhos para continuar a crescer.
O fato novo, aí, é o jornalismo digital.
A íntegra.

Para entender o programa Mais Médicos

A visão de um médico que analisa o assunto em profundidade.

Do saite Vermelho.
Mais Médicos para o Brasil: críticas e considerações

Por Giovano Iannotti* 

O Governo decidiu drenar um abcesso. As dúvidas são duas. A primeira é se ele será um cirurgião capaz de levar a operação até o final, sem medo de tocar em todos os órgãos afetados ou se ficará na superfície, desperdiçando a chance de tratar devidamente o paciente. A outra é se o paciente tem interesse em se tratar, de ser ativo no seu processo de cura, pois ao médico cabe o papel de auxiliar.
A íntegra.

Vídeo mostra policial disfarçado jogando coquetel molotov na polícia

O que muitos manifestantes já denunciaram agora foi filmado no Rio. Aqui, a análise do blog O Cafezinho. E no Diário do Centro do Mundo cobertura e prisão de repórteres ninjas no mesmo protesto, ontem: "A Mídia Ninja está cobrindo os protestos ao vivo, em regime 24 por 7. Tem o aval e a confiança dos manifestantes. Deixa claro de que lado está. É um coletivo de jornalistas que não abandona o front (Ninja é a sigla para "Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação"). Tudo é transmitido ao vivo, a partir de um celular, num aplicativo chamado Twit Casting. Os seguidores compartilham links, mandam fotos e vídeos, num diálogo permanente. A força dos ninjas, e sua voz junto aos manifestantes, fez com que o prefeito Eduardo Paes os recebesse para uma entrevista exclusiva na última sexta." Assim, fica mais difícil para a polícia e a velha imprensa manipularem informações.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Justiça bloqueia contas bancárias da Globo

Na Globo vale tudo.

Do jornal Hoje em Dia, via blog Viomundo. 
Globo tem bens bloqueados 
Amaury Ribeiro JR e Rodrigo Lopes

A Globopar, empresa ligada à TV Globo, está com parte de suas contas bancárias e bens bloqueados, devido a um dívida ativa de R$ 178 milhões com o Tesouro Nacional. De acordo com documentos conseguidos pelo Hoje em Dia na Justiça Federal do Rio de Janeiro, a dívida inscrita no cadastro de inadimplentes federais foi originada por várias sonegações de impostos federais.
Por solicitação da Procuradoria da Fazenda Nacional do Rio de Janeiro, as contas bancárias da Infoglobo e a da empresa Globo Ltda. também chegaram a ser bloqueadas. Mas os irmãos Marinho – Roberto Irineu, José Roberto e João Roberto – conseguiram autorização da Justiça para liberar o bens dessas duas últimas empresas no mês passado, na 26ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro.
A dívida da Globopar, no entanto, já está inscrita no cadastro de inadimplentes do Tesouro Nacional, em fase de execução. Na semana passada, a Globo conseguiu adiar a entrega de seu patrimônio ao tesouro até que o processo transite em julgado.
O Hoje em Dia também teve acesso ao processo que apurou o sumiço do inquérito de sonegação da Organizações Globo na compra dos direitos da transmissão da Copa de 2002.
A íntegra.

Joaquim Barbosa, o grosso

O que dizer de um sujeito assim? Não tem estofo -- além de outras qualidades, como mostram as sucessivas notícias escandalosas que o envolvem -- para o cargo que ocupa. Fingir que não vê a presidente do País, ao lado do papa?!

Como os algorítmos controlam a nossa vida

Da Rede Brasil Atual.
Abracadabra: os algoritmos estão dominando o mundo 
Entusiastas das teorias da conspiração, não olhem agora: tudo aconteceu quando o algoritmo encontrou o computador. Foi amor à primeira vista  
por Paulo Nogueira 

Você vai conhecer os algoritmos tão bem quanto a mãe deles. Perdão, o pai: Al Khwarizami, matemático que no século 9 criou o primeiro algoritmo, palavra que é uma corruptela do nome desse erudito persa. Grosso modo, um algoritmo é uma sequência finita de instruções bem definidas e não ambíguas, em que cada uma pode ser executada mecanicamente num período de tempo finito e com uma quantidade de esforço finita. Hein?
Um software, por exemplo, é essencialmente um algoritmo que dita ao computador os passos específicos e a ordem em que devem ser executados – para, digamos, calcular as notas que serão impressas nos boletins dos alunos de uma escola. Singelo, não? E também tentacular. O que mudou desde os tempos de Al Khwarizami­ é o que os algoritmos estão fazendo agora: tudo. Acumulam mais informação do que qualquer ser humano seria capaz e estabelecem relações que nenhum de nós vislumbraria. As desvantagens só começam a despontar.
Tudo aconteceu quando o algoritmo encontrou o computador. Foi amor à primeira vista. Vejamos: neste preciso instante, milhões de pessoas estão realizando uma busca no Google. Um algoritmo vai determinar o que elas veem, como um porteiro para a internet. Outro vai selecionar que anúncios publicitários acompanharão os resultados da pesquisa (na web tampouco há almoços grátis).
Vão anotando: algoritmos decidem o que encomendamos na Amazon (ou no Peixe Urbano), que filmes nos são sugeridos no Netflix, quais músicas ouviremos na Rádio Pandora. Por isso, vira e mexe os jornais peroram contra a influência insidiosa dos algoritmos, como se eles fossem um vodu informático que obriga os websites a vigiar cada internauta. Ou seja, um software que espia nossos e-mails e informa ao Facebook o tipo de propaganda que nos deve ser impingida.
Não é bem assim: é pior. Muitos dos alertas da mídia hoje partem de... algoritmos. Assim, a Narrative Science é uma empresa que, sem um único jornalista ou repórter, produz noticiários montados a partir de dados recolhidos na internet pelos algoritmos. Na revista Forbes, por exemplo, muitas matérias já são assinadas "by Narrative Science".
A íntegra.

Como a Siemens comprou tucanos

Os paladinos da moralidade pública não passam de dublês. Um a um, os que fizeram a gritaria contra o governo do PT (que fez caixa 2 de campanha, como todos os partidos fazem, usando esquema montado pelos tucanos mineiros e que até hoje não foi julgado, nunca é demais lembrar), vão sendo desmascarados: senador DEMócrito, ministro Joaquim Barbosa e tucanos variados -- por enquanto paulistas, porque não existe imprensa em Minas para investigar tucanos locais. Será que globo, veja e folha darão à corrupção tucana a mesma repercussão que deram ao "mensalão", sobre o qual falaram todos os dias, durante oito anos? O que Aécio Neves, candidato tucano à presidência, tem a dizer sobre o assunto? Ficará estarrecido e pedirá rigorosa apuração, como faz com as denúncias contra políticos do PT? Ou se fingirá de morto?

Da revista Istoé.
O esquema que saiu dos trilhos 
Um propinoduto criado para desviar milhões das obras do Metrô e dos trens metropolitanos foi montado durante os governos do PSDB em São Paulo. Lobistas e autoridades ligadas aos tucanos operavam por meio de empresas de fachada
Alan Rodrigues, Pedro Marcondes de Moura e Sérgio Pardellas 

Ao assinar um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a multinacional alemã Siemens lançou luz sobre um milionário propinoduto mantido há quase 20 anos por sucessivos governos do PSDB em São Paulo para desviar dinheiro das obras do Metrô e dos trens metropolitanos. Em troca de imunidade civil e criminal para si e seus executivos, a empresa revelou como ela e outras companhias se articularam na formação de cartéis para avançar sobre licitações públicas na área de transporte sobre trilhos. Para vencerem concorrências, com preços superfaturados, para manutenção, aquisição de trens, construção de linhas férreas e metrôs durante os governos tucanos em São Paulo – confessaram os executivos da multinacional alemã –, os empresários manipularam licitações e corromperam políticos e autoridades ligadas ao PSDB e servidores públicos de alto escalão.
O problema é que a prática criminosa, que trafegou sem restrições pelas administrações de Mario Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, já era alvo de investigações, no Brasil e no Exterior, desde 2008 e nenhuma providência foi tomada por nenhum governo tucano para que ela parasse. Pelo contrário. Desde que foram feitas as primeiras investigações, tanto na Europa quanto no Brasil, as empresas envolvidas continuaram a vencer licitações e a assinar contratos com o governo do PSDB em São Paulo.
O Ministério Público da Suíça identificou pagamentos a personagens relacionados ao PSDB realizados pela francesa Alstom – que compete com a Siemens na área de maquinários de transporte e energia – em contrapartida a contratos obtidos. Somente o MP de São Paulo abriu 15 inquéritos sobre o tema. Agora, diante deste novo fato, é possível detalhar como age esta rede criminosa com conexões em paraísos fiscais e que teria drenado, pelo menos, US$ 50 milhões do erário paulista para abastecer o propinoduto tucano, segundo as investigações concluídas na Europa.
As provas oferecidas pela Siemens e por seus executivos ao Cade são contundentes. Entre elas, consta um depoimento bombástico prestado no Brasil em junho de 2008 por um funcionário da Siemens da Alemanha. ISTOÉ teve acesso às sete páginas da denúncia. Nelas, o ex-funcionário, que prestou depoimento voluntário ao Ministério Público, revela como funciona o esquema de desvio de dinheiro dos cofres públicos e fornece os nomes de autoridades e empresários que participavam da tramoia.
Segundo o ex-funcionário cujo nome é mantido em sigilo, após ganhar uma licitação, a Siemens subcontratava uma empresa para simular os serviços e, por meio dela, realizar o pagamento de propina. Foi o que aconteceu em junho de 2002, durante o governo de Geraldo Alckmin, quando a empresa alemã venceu o certame para manutenção preventiva de trens da série 3000 da CPTM (Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos). À época, a Siemens subcontratou a MGE Transportes.
De acordo com uma planilha de pagamentos da Siemens obtida por Istoé, a empresa alemã pagou à MGE R$ 2,8 milhões até junho de 2006. Desse total, pelo menos R$ 2,1 milhões foram sacados na boca do caixa por representantes da MGE para serem distribuídos a políticos e diretores da CPTM, segundo a denúncia. Para não deixar rastro da transação, os saques na boca do caixa eram sempre inferiores a R$ 10 mil. Com isso, o Banco Central não era notificado.
"Durante muitos anos, a Siemens vem subornando políticos, na sua maioria do PSDB, e diretores da CPTM. A MGE é frequentemente utilizada pela Siemens para pagamento de propina. Nesse caso, como de costume, a MGE ficou encarregada de pagar a propina de 5% à diretoria da CPTM", denunciou o depoente ao Ministério Público paulista e ao ombudsman da empresa na Alemanha.
A íntegra.

Fome, agrotóxicos e assassinatos

Do O Globo, via página do MST.
"Fome não é mais morte natural, é massacre" afirma Jean Ziegler
Por Leonardo Cazes

Aos 79 anos, o sociólogo suíço Jean Ziegler viajou o mundo inteiro e conheceu de perto a vida de quem sofre de fome. Professor da Universidade de Genebra e da Sorbone, Ziegler foi relator para o direito à alimentação das Nações Unidas entre 2000 e 2008 e membro do Comitê Consultivo do Conselho de Direitos Humanos da ONU entre 2008 e 2012. Em entrevista ao Globo, o autor de "Destruição em massa: geopolítica da fome" (Cortez) argumenta que se a produção mundial de alimentos é suficiente para alimentar todo o mundo, quem morre de fome, portanto, é assassinado. Sobre o Bolsa Família, acredita que o programa cumpriu o seu papel, mas agora é preciso investir em reformas e na agricultura familiar.

- No seu livro, o senhor afirma que há três etapas no "tratamento ideológico da fome" ao longo da História. Quais são elas?
- A primeira etapa foi dominada pelo teorema de Malthus, em que a fome é uma necessidade, trata-se de uma lei de Deus. Se não houver eliminação periódica de populações, uma seleção natural, todo planeta sofreria com a superpopulação. A natureza é responsável pela fome. Esta teoria dura até a Segunda Guerra Mundial, porque servia magnificamente às classes dirigentes dos impérios coloniais britânicos e franceses, que produziam massacres nas colônias com a exploração do trabalho. Em 1946, é publicado "Geopolítica da fome", de Josué de Castro. Este livro foi uma revelação para os europeus. O título indica que a fome é de origem política, e não da natureza. Castro, um gênio, foi o primeiro presidente da FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e agricultura) e é esquecido no Brasil. Ele deveria ter um monumento em cada cidade do país, porque é um dos maiores pensadores do século XX.
A íntegra.

Da Radioagência NP, via página do MST.
25 crianças morrem por merenda contaminada com agrotóxico na Índia 
Por Vivian Fernandes

Pelo menos 25 crianças morreram após ingerir merenda escolar contaminada por agrotóxicos na Índia. Dezenas de crianças, de 4 a 12 anos de idade, estão sendo tratadas em hospitais e muitas estão em estado grave.
O caso ocorreu em uma escola da vila de Gandamal, no estado de Bihar. Uma investigação inicial aponta que os alimentos podem ter sido contaminados por pesticidas usados em plantações de trigo e arroz da região.
A refeição oferecida às crianças na terça-feira (16/7/13) fazia parte do programa Merenda Escolar do Meio-Dia do governo indiano, que alcança 114 milhões de crianças.
O projeto oferece refeições gratuitas como estratégia para enfrentar a fome e a desnutrição infantil, além de combater o abandono escolar. No início o programa foi bem sucedido, mas depois passou a ter problemas com desperdício e corrupção.
A íntegra.

domingo, 21 de julho de 2013

A 65ª Reunião Anual da SBPC em Recife

Durante a ditadura, a reunião anual da SBPC era um grande e fecundo encontro político de estudantes, protegidos pelo manto da ciência, que também participava ativamente das discussões mais importantes sobre o País. Com a liberdade de reunião e manifestação vigentes desde a Constituição de 1988, ela não tem mais essa importância política, mas em momentos decisivos como o atual é um excelente fórum de debates sobre os caminhos do Brasil.

Da Agência Brasil
Reunião da SBPC começa hoje com mais de 250 atividades 
Heloisa Cristaldo
Brasília – Começa hoje (21/7/13), no Recife, a 65º Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Com o tema central Ciência para o Novo Brasil, o encontro tem o objetivo de popularizar e valorizar a produção científica nacional e inseri-la no cotidiano dos cidadãos. A sessão de abertura está marcada para as 19h na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde ocorrerá todo o evento. Na manhã desta segunda-feira (22), o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antônio Raupp, participa da conferência Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: Trajetória Recente e Desafios.
O encontro vai até a próxima sexta-feira (26) e terá 266 atividades, com a participação de pesquisadores brasileiros e estrangeiros e gestores da área de ciência e tecnologia. A reunião contará com 82 conferências, 87 mesas-redondas, 60 minicursos, 16 encontros, nove sessões especiais, seis simpósios e seis assembleias.
Entre os participantes da reunião estará o pesquisador alemão Ulrich Glasmacher, da Universidade de Heidelberg. Ele fará uma conferência sobre mudanças climáticas na terça-feira (23). A programação completa da reunião está na página da SBPC.
A reunião da SBPC é realizada desde 1948, com a participação de representantes de sociedades científicas, autoridades e gestores do Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia. O objetivo é difundir os avanços da ciência e debater políticas públicas para área.A íntegra.

Brasil para quem?

Boa análise. Para o agronegócio, que só produz para exportação e deixa faltar arroz e feijão, ou para pequenos agricultores que alimentam os brasileiros? Para a população que precisa do SUS ou para o lobby dos médicos e empresas de saúde? Para o lobby das montadoras e das empresas de ônibus ou para o povo que usa transporte público? Para a rede globo reacionária, que distorce o noticiário e recebe R$ 500 milhões por ano em publicidade do governo, ou para a nova imprensa progressista da internet? O governo tem de escolher. 

Da Rede Brasil Atual. 
Governo tem de escolher para quem quer governar 
Professor da Federal do Rio afirma que os tempos de 'Brasil Para Todos' já passaram
por Andréa Ponte Souza, Fábio Jammal Makhoul e Lucimar Beraldo, Rede de Comunicação dos Bancários 

São Paulo – Apesar dos incríveis avanços econômicos e sociais que o Brasil passou nos últimos dez anos, o povo quer mais. Sem o fantasma do desemprego rondando, renda em ascensão e aumento do consumo, a população quer agora saúde, educação e transporte de qualidade, quer, enfim, serviços públicos melhores.
Este é o grande recado das manifestações que tomaram conta do Brasil em junho, na visão do professor João Sicsú, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e ex-diretor do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Ele participou dos debates sobre análise de conjuntura, que abriram o segundo dia da Conferência Nacional dos Bancários, neste sábado (20/7/13), em São Paulo
João Sicsú disse que o governo Lula assumiu o país, em 2003, com o slogan "Brasil para todos". "Este roteiro levou a ações que garantiram avanços em todas as áreas", diz, acrescentando que a política econômica do governo, acertada e necessária, expandiu o crédito, que dobrou de tamanho, conseguiu uma drástica redução do desemprego -- passando de 12,3%, em 2013, para menos de 5%, em 2010 - e ampliou o consumo.
Para Sicsú, o governo precisa, agora, deixar o slogan de lado e escolher para quem quer governar. "Precisa partir para o enfrentamento. Se queremos um sistema de saúde melhor, precisamos enfrentar o lobby dos médicos e das grandes corporações. Se queremos uma reforma política, precisamos enfrentar deputados, senadores, bancos, mídia. Se queremos uma reforma agrária, precisamos enfrentar os ruralistas. Isso vai desagradar os mais poderosos e ricos, mas vamos conseguir avançar em vários pontos que foram colocados pela população nas manifestações de junho."
O professor acredita que esta insatisfação da população manifestada nos protestos era de conhecimento do governo. "Mas os governantes não fizeram nada, justamente para evitar o confronto. Mas não adianta evitar o enfrentamento, os mais poderosos continuarão brigando pelos seus interesses. Basta ver que, no ano passado, o governo federal destinou R$ 500 milhões em verbas publicitárias para a TV Globo. E ela continua fazendo oposição ao governo. Imagine o grande avanço que teríamos na saúde se esta verba de meio bilhão de reais fosse investida na área", disse.
A íntegra.

Açúcar e câncer

Descoberta revolucionária. Por que ninguém investigou isso antes? Ou investigou? O fato é que o açúcar, especialmente o refinado, é um alimento relativamente recente na história da humanidade, presidente em inúmeros alimentos industrializados.

Do jornal GGN com informações do Natural News.
Estudo relaciona alimentos ricos em açúcar com risco de câncer
Cientistas da University College London (UCL), no Reino Unido, afirmam que o consumo de açúcar é a principal "força motriz" por trás do desenvolvimento de tumores de câncer, segundo estudo publicado recentemente na revista Nature Medicine. A relação é tamanha que, segundo os pesquisadores, no futuro os procedimentos de rastreio de tumores vão começar por uma varredura corporal para detectar acúmulos de açúcar.
A descoberta aconteceu quando os cientistas experimentaram usar ressonância magnética (RMI) para detectar câncer em pacientes. Os scanners de ressonância foram então sensibilizados para localizar glicose no corpo de camundongos. As ressonâncias acabaram mostrando, com destaque, os tumores no corpo dos roedores, indicando que eles continham quantidades elevadas de açúcar.
A íntegra.

Depois da fifa, o papa

Turnê do papa hermano vai custar R$ 118 milhões aos cofres públicos brasileiros -- além das 330 árvores que já foram derrubadas para uma missa campal.

Do Diário do Centro do Mundo.
Quem vai pagar a conta da turnê milionária do papa no Brasil?
Kiko Nogueira

O austero papa Chico estará no Rio de Janeiro entre 23 e 28 de julho para a Jornada Mundial da Juventude, a JMJ, um encontro que acontece a cada dois ou três anos em diversas cidades do mundo. O último foi em Madri. Os organizadores desta edição esperam um público de pelo menos 2 milhões de pessoas.
Francisco já reservou para si um quarto como o dos cardeais de sua comitiva, mais simples (estava reservada para ele uma suíte com dois ambientes, closet e cama king size). Ele tem dito que quer evitar luxos em sua estada.
Mas, se o papa quiser realmente ser coerente, poderia talvez pedir para verificarem as contas de sua turnê brasileira. Os governos federal, estadual e municipal devem gastar 118 milhões de reais com ela. A segurança, que inicialmente seria de responsabilidade de uma empresa contratada da JMJ, Dream Factory, será exercida por 10 700 homens das Forças Armadas. Aviões da FAB foram buscar os papamóveis.
Faz sentido? Ou, se alguém deveria pagar a conta da visita, não deveriam ser os católicos? Que tal um crowdfunding?
A Jornada é um negócio milionário. Tem patrocínio de várias empresas, como Nestlé, Bradesco etc. A expectativa, oficialmente, é levantar por volta de 25 milhões de reais. Estão programados shows de artistas como Ivete Sangalo, Milton Nascimento e Michel Teló. Camisetas e outros produtos estão sendo vendidos a rodo.
A íntegra.

Carta a jovens jornalistas

Filho e pai de jornalistas, com carreira nas maiores corporações de imprensa no Brasil e realizador de uma das melhores publicações digitais para o País, Paulo Nogueira é uma voz a ser ouvida.  

Do Diário do Centro do Mundo.
O jornalismo digital é um avanço sobre o jornalismo corporativo 
Paulo Nogueira

Caro jovem interessado em jornalismo:
Você deve ter ouvido vaticínios terríveis sobre o futuro do jornalismo. E isso pode estar fazendo você desistir de ser jornalista.
Pois eu digo: pense duas vezes.
O jornalismo não está acabando. Ele está, na verdade, passando por uma formidável transformação – para melhor.
O que vai chegando ao fim é a era do jornalismo em que o jornalista é um mero apêndice para os donos das corporações. 
Alguns chamam isso de jornalismo corporativo.
Nele, o jornalismo é pago para defender as ideias dos donos e não para ajudar o mundo a se tornar melhor.
Você pode ganhar um salário bom, mas a frustração é enorme. Você rapidamente aprende que os interesses dos donos são prioritários.
Na era da internet, com a democratização da informação, o caráter nocivo das grandes empresas de jornalismo ficou estampado.
Não apenas no Brasil, mas em todo o mundo. Os grandes jornais americanos, por exemplo, deram apoio a Bush na criminosa invasão do Iraque.
Na Inglaterra, a sociedade se deu conta de que os jornais faziam barbaridades não para defender o interesse público, mas para vender mais e ampliar seus lucros.
A íntegra.

A última do Joaquim Barbosa

Os que mais gritam pela moralidade pública são os que mais se locupletam. Ou já nos esquecemos do senador DEMócrito? O presidente do STF é o novo Collor.

Barbosa compra apê de R$ 1 mi em Miami e foge do Leão
Potencial candidato à presidência da República em 2014, graças à fama de justiceiro conquistada durante o julgamento da Ação Penal 470, da qual foi relator, o ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal, não cansa de surpreender. A mais nova estripulia é a compra de um imóvel de R$ 1 milhão em Miami, Meca dos endinheirados latino-americanos, seguindo uma estrutura de planejamento tributário criada para obter benefícios fiscais.
O furo de reportagem é dos jornalistas Matheus Leitão e Rubens Valente e está publicado na edição deste domingo da Folha de S. Paulo. Barbosa comprou um imóvel num condomínio de luxo em Miami em maio do ano passado, mas evitou fazer isso em seu nome. Para realizar a transação criou a empresa Assas JB Corp, que adquiriu a propriedade avaliada em US$ 480 mil – o equivalente, hoje, a cerca de R$ 1,1 milhão.
A íntegra no Brasil 247 e na Folha.

sábado, 20 de julho de 2013

Governo de Minas tem seis vezes mais cargos de confiança do que o federal

Proporcionalmente. Qualquer menino de grupo pode fazer estas contas: para atender uma população de 190 milhões de brasileiros, o governo federal tem 22 mil cargos comissionados; para atender a população de 19 milhões de mineiros, o governo estadual tem 14 mil. Se praticasse a austeridade petista, o governo mineiro deveria ter só 2.200 comissionados, quase sete vezes menos. Sob os tucanos de Aécio Anastasia, Minas é o paraíso dos cargos de confiança. Aécio faz parte da turma dos dublês, aqueles que fingem ser o que não são -- como o ídolo das páginas amarelas da veja, que finge ser líder de massas; a velha imprensa, que finge fazer jornalismo; o presidente do STF, que finge ser um exemplo moral; aquele senador DEMócrito, que fingia ser contra a corrupção; o ex-presidente Collor, que fingia ser caçador de marajás etc. etc. etc.

Do Portal Minas Livre.
Aécio critica comissionados do governo federal enquanto Minas mantém 14 mil cargos em comissão
Thaís Mota

O senador e ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves (PSDB) criticou fortemente a estrutura do governo Dilma Rousseff durante uma convenção estadual do partido em Santa Catarina no último domingo (14/7/13). O parlamentar bateu na tecla do número de ministérios e dos cargos em comissão mantidos pelo governo federal. "É quase um tapa na cara da população brasileira termos 39 ministérios e 22 mil cargos comissionados, preenchidos exclusivamente pelo critério de filiação partidária. Vamos fazer diferente e melhor, porque o PSDB tem coragem de romper com estruturas falidas para iniciar um tempo novo no Brasil", afirmou durante o evento.
Entretanto, o parlamentar se esqueceu de dizer que, apesar de possuir apenas 10% da população nacional, Minas Gerais mantêm atualmente 14.767 cargos comissionados no governo do estado, o que representa 67% do total de cargos do governo federal e proporcionalmente seis vezes mais servidores em comissão que a administração nacional.
A íntegra.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Brasil do agronegócio importa feijão

É que o agronegócio que desmata, polui rios, contamina a terra, extingue animais e plantas e expulsa agricultores para as cidades produz para exportação, não cuida da alimentação dos brasileiros. O "celeiro do mundo", com 8,5 milhões de quilômetros quadrados e clima invejável, não produz um alimento básico dos seus habitantes. Notícias assim só saem discretamente na velha imprensa, quando saem.

Da Página do MST.
Com agronegócio, Brasil precisa importar 200 mil toneladas de feijão

O imposto sobre a importação do feijão foi zerado na última segunda-feira (24/6/13) pelo governo federal. O objetivo é suprir a falta de oferta do alimento no mercado brasileiro e evitar uma pressão inflacionária sobre esses itens alimentícios.
Com isso, o governo federal pretende importar 200 mil toneladas de feijão até o final de outubro, segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Antônio Andrade.
Nesta terça-feira, Andrade disse que poucos países têm condições de vender o produto ao Brasil, além da Argentina, China e do México. "Há dificuldades porque (o feijão) está mais para hortifrutigranjeiro. Não dá para estocar, porque perde qualidade. Devemos importar 112 mil toneladas, mas precisamos [ao todo] de 200 mil."
A justificativa da falta de alimento dada pelo ministro foi a seca que atingiu boa parte do nordeste brasileiro. Entretanto, especialistas no assunto relacionam o problema com fatores estruturais da agricultura brasileira.
Dados da Abra apontam que, de 1990 para 2011, as áreas plantadas com alimentos básicos como arroz, feijão, mandioca e trigo declinaram, respectivamente, 31%, 26%, 11% e 35%. Já as de produtos do agronegócio exportador, como cana e soja, aumentaram 122% e 107%.
A íntegra.

A receita do Nassif para Dilma

Luís Nassif, além de provavelmente o jornalista brasileiro que melhor entende a nova imprensa da internet, é um analista político interessante, porque leva em conta fatos e movimentos reais no mundo do capital. Sua visão reflete a posição ideal de um empresário decente e progressista, se é que isso existe.

Do blog Luís Nassif Online.
Os caminhos de Dilma para a governabilidade  
Luís Nassif

Todo setor organizado precisa exercitar a visão prospectiva para balizar suas ações. Há que se ter sensibilidade para identificar a dinâmica dos grandes fatores centrais determinantes do futuro, fugindo do imediatismo das medidas pontuais.
Se seis meses atrás o governo Dilma Rousseff conseguisse identificar a dinâmica destes fatores:

1. Desgaste com seu governo em círculos formadores de opinião.
2. Desgaste com a opinião pública midiática por conta da campanha sistemática da mídia.
3. Desgaste com o mercado devido à dubiedade das contas fiscais.
4. Desgaste com movimentos sociais e sindicatos, partidos políticos e associações empresariais devido à falta de diálogo,

poderia estar há seis meses agindo proativamente sobre cada um.
Obviamente seria difícil prever a explosão das redes sociais. Mas os demais fatores estavam no horizonte.
O desafio agora é aproveitar as lições e preparar a estratégia para os próximos semestres.
O xadrez da política, para o governo Dilma, consistirá em administrar a exacerbação atual da política, em um ambiente econômico desfavorável, sem permitir a erosão da base de apoio parlamentar.Ações:
1- Preparar a opinião pública para os baixos resultados econômicos do segundo semestre e criar expectativas favoráveis para o próximo ano.
A íntegra.

Google, Facebook, Microsoft etc. se unem contra governo dos EUA

Será? Depois de fornecerem dados dos seus usuários ao governo americano, como carneirinhos, e diante da reação mundial que destrói sua credibilidade, gigantes da internet resolveram reagir. Será que pensavam que os EUA iam usar as informações para o bem comum e criteriosamente, apesar de tudo ser feito clandestinamente?

Do Opera Mundi. 
Google, Facebook e Microsoft se unem para cobrar transparência do governo dos EUA Mais de 50 gigantes da internet enviaram carta prometendo revelar documentos se Washington não se pronunciar

Em raro momento de união no competitivo mercado da internet, mais de 50 empresas assinaram juntas nesta quarta-feira (17/7) uma carta para o presidente Barack Obama cobrando transparência do governo norte-americano no escândalo de espionagem. O grupo, que inclui Facebook, Google e Microsoft, também promete um comunicado conjunto para hoje (18).
A carta solicita a Washington uma série de medidas para que os usuários da internet tenham mais segurança com suas informações. Segundo o portal All Things Digital, caso o governo norte-americano não atenda a demanda, as empresas prometem revelar por elas mesmas dados da NSA (sigla em inglês para Agência Nacional de Segurança).
A íntegra.

Deputados do PSDB, DEM, PSD, PP, PSB e PMDB são a favor da espionagem americana

É o que se deduz da votação de moção de repúdio na Câmara: eles votaram contra, se abstiveram ou se ausentaram. Faz sentido: foi no governo FHC que a espionagem se instalou e tinha negócios diretos com a presidência. Os votos do PMDB mostram bem a aliança precária sobre a qual se sustenta o governo do PT.

Da Adital.
[Moção de Repúdio à espionagem norte-americana] Como vota Sua Excelência?
Celso Vicenzi

Virou clichê dizer que "todos os políticos e partidos são iguais”. É essa também a impressão de uma grande parcela de cidadãos que aderiu às manifestações em todo o país. Para chegar a essa quase-certeza (ou certeza, para os mais convictos), houve a colaboração intensiva da mídia no dia a dia da cobertura política.
Não interessa aos donos da mídia dizer "quem é quem” no cenário político nacional, estadual e municipal. Por isso, com raríssimas exceções, a cobertura de votações importantes costuma trazer apenas o resultado, sem mencionar claramente como votaram os partidos, os vereadores, os deputados e os senadores.
A diferença de posições ideológicas entre os partidos, apesar dos pesares, fica evidente, por exemplo, no caso recente da votação de uma Moção de Repúdio à espionagem norte-americana que acessou bilhões de emails, telefonemas e dados de empresas e cidadãos brasileiros, além do governo. A Moção foi apresentada pelo deputado José Guimarães (PT) e aprovada por 292 votos. No entanto, 86 deputados votaram contra e 12 se abstiveram de aprovar um documento que se posiciona em favor da soberania brasileira e pede uma solução internacional para a violação do direito à privacidade e do sigilo que envolve as relações entre empresas e países. Quem votou "sim” expressou também "concordância com as iniciativas destinadas a criar uma agência multilateral, no âmbito do sistema das Nações Unidas, para gerir e regulamentar a rede mundial de computadores, poderoso instrumento de uso compartilhado da humanidade". E externou, ainda, "apreensão com a segurança do cidadão norte-americano Edward Snowden, que está refugiado, há dias, no aeroporto de Moscou".
Dos partidos maiores, votaram unânimes pela Moção o PT (70 votos), PDT (24 votos), PCdoB (11 votos), PPS (9 votos), PRB (9 votos) e PV (8 votos). Foram acompanhados pelo voto uniforme de partidos menores como PEN (2 votos), PHS (1), PSL (1), Psol (2), PTdoB (2) e o voto do catarinense Jorge Boeira (sem partido). Votaram contra: DEM (16 dos 20 votos), PMDB (11 contra e uma abstenção, de um total de 64 votos), PMN (2 contra em 3 votos), PP (17 contra em 24 votos), PR (4 contra e uma abstenção, em 24 votos), PRP (um contra e um a favor), PSB (2 contra e uma abstenção, em 21 votos), PSC (8 contra em 10 votos), PSD (20 contra em 32 votos), PSDB (3 contra e 10 abstenções) e PTB (2 contra em 13 votos).A íntegra.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

A sonegação da Globo

Além de informações, impostos.

Como tucanos investem em educação

R$ 500 mil para trocar o piso de uma escola da periferia. Infelizmente, não deu para fazer outras obras. Por que será que eles acham que investir em educação é fazer obras superfaturadas? Por que será que não consideram bons professores, horário integral, refeições, médico, dentista, esportes e artes mais importantes que pisos de ouro?

Do Spresso SP.
Governo de SP gasta R$ 500 mil para trocar piso de escola na periferia
Obras na Escola Estadual Profa. Júlia Della Casa Paula foram encerradas sem as reformas previstas

Em dezembro de 2011, a Escola Estadual Professora Julia Della Casa Paula foi escolhida para fazer parte de um grupo de 46 escolas que receberiam parte dos R$ 20 milhões destinados para reformas nas escolas da rede estadual instaladas na capital paulista e na região metropolitana. Entretanto, reportagem produzida pelo portal IG revelou que a escola localizada na Cidade Ademar, um dos bairros mais pobres da zona sul de São Paulo, teve apenas o piso interno reformado e as obras foram dadas como encerradas. Apesar da previsão inicial para término da obra ser no fim de deste mês.
O valor previsto para a reforma, R$ 496.629,51 mil, incluía a substituição das tabelas de basquete da quadra principal da escola, a instalação de postes de vôlei e traves de futebol na mini-quadra, a reforma dos sanitários, a troca dos pisos internos e externos, além da instalação de outros equipamentos recreativos na unidade de ensino.
A íntegra.

Mais uma do Barbosa

Como Collor, ele cria fatos políticos todos os dias, para se manter em evidência. Não disse nada, porém, sobre o dinheiro que recebe da UERJ sem trabalhar. Nem sobre recebimento de vantagens que condena em outros. Nem sobre o emprego do seu filho e de outras filhas. É o oposto do que deve ser um juiz.

Hora do descanso 

Da Agência Brasil. 
Presidente do STF suspende novos tribunais e alega erro do Legislativo
Débora Zampier

Brasília – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, suspendeu a criação de quatro tribunais federais, prevista para dezembro. A decisão foi tomada ontem (17), mas divulgada apenas hoje (18) pelo tribunal, e ainda terá que ser referendada pelo plenário após o recesso de julho.
Para Barbosa, o Congresso Nacional errou ao propor a alteração na estrutura do Judiciário, pois somente o STF tem essa prerrogativa. "É imprescindível apontar o risco que correm as instituições em caso de precedente que autorize, hipoteticamente, um Poder a modificar unilateralmente a estrutura ou competência do outro Poder."
A íntegra.

Médicos ricos não querem atender pacientes pobres

Grande parte dos médicos são ricos. Quase todos querem ficar nos grandes centros. Poucos querem ser clínicos. É o que diz pesquisa. E se o Conselho Federal de Medicina os representa, também não querem que venham médicos estrangeiros atender a quem eles não atendem. Mas todos querem estudar em faculdades públicas e gratuitas. E alguns vão para as ruas defender sem pudor seus privilégios e as desigualdades que o sistema reproduz. Esse tipo de pensamento, no entanto, não começa na faculdade, vem da escola infantil. Educação pública de qualidade em tempo integral para todos é a política mais importante para o País, todos sabemos disso, pelo menos desde os tempos de Darcy Ribeiro secretário do governador Brizola, há trinta anos.

Do Pragmatismo Político. 
Só 5% dos estudantes de Medicina pretendem atender no interior do Brasil
Pesquisa revela também que só 20% dos estudantes querem atuar em clínica geral, área em que a carência é maior. Problema está nos cursos, diz especialista

De cada 100 formandos em medicina no Brasil, apenas cinco desejam trabalhar em cidades pequenas do interior do país, onde a carência é maior; somente 20 querem atuar em clínica geral, como nos programas de Saúde da Família; e 63 pensam em cursar uma especialidade.
Os dados são de uma pesquisa realizada pelo médico e professor da Universidade Federal do Tocantins (UFTO) Neilton Araujo de Oliveira para seu doutorado em ensino de biociências e saúde pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC-Fiocruz). O objetivo, entre outros, era estudar o processo de formação médica no Brasil e verificar o que pensam e como se sentem os alunos que se formam num contexto de mudanças tanto no ensino médico, com a implementação das diretrizes curriculares, como no próprio Sistema Único de Saúde (SUS).
A pesquisa também constatou que, quanto ao perfil socioeconômico dos novos médicos do país, 66% têm entre 23 e 25 anos e 44% são de famílias com renda mensal maior acima de 20 salários mínimos (R$ 13.560).
Outro dado interessante é que metade deles afirmou que questões relacionadas ao mercado de trabalho não são discutidas no curso e apenas 16% disseram haver estudos sobre políticas de saúde já no primeiro ano do seu curso de graduação. E embora 60% tenham informado haver aulas práticas nas unidades básicas de saúde (UBS) e em hospitais do SUS, somente 21% declararam a existência de atividades comunitárias durante a formação.
A íntegra.