quarta-feira, 15 de maio de 2019

A sociedade reage ao desmanche da nação e ao autoritarismo

A quebra da ordem constitucional que aconteceu no Brasil a partir o resultado das urnas em 2014 exige uma nova Constituição, um novo processo constituinte. Vivemos num estado de exceção, todas as instituições da República faliram no golpe, aderindo a ele ou não reagindo como exigia a democracia. Em vez da presidenta reeleita, tivemos um presidente que implantou o programa da oposição, derrotado nas urnas. O presidente eleito em 2018 só o foi porque o candidato preferido pela população foi preso e porque  fake news de forma ampla, ilegal e decisiva.
Agora a sociedade começa a acordar, porque tudo que esse governo faz é destruir, sem sequer ter um projeto para pôs no lugar. Sua proposta é voltar ao fracassado liberalismo do século XIX. Sua batalha é para aprovar a reforma da Previdência, que, mesmo draconiana, acabando com a aposentadoria para os mais pobres, não vai resolver problema nenhum, a crise econômica vai continuar e com ela as cenas dantescas que vemos no país há um quadriênio: miséria nas ruas, duas bacias hidrográficas destruídas, epidemias, violência.
Sem o exemplo superior do respeito às leis pelas autoridades, a nação afunda na anarquia, os valores se perdem, a civilização deteriora, seres humanos se transformam em bestas. Essa situação caótica na qual no golpe nos meteu só pode ser resolvida com uma assembleia constituinte, que reorganiza a nação legalmente, socialmente, politicamente, economicamente.
Hoje é um dia de reação, com o que pode ser o primeiro ato de resistência consequente, a greve nacional da educação. Foi assim em 1977, quando o movimento estudantil nas universidades abriu caminho para as greves no ABC paulista e outras que se seguiram, campanha Diretas já!, eleição da Tancredo e Constituição de 1988. O caminho pode ser longo, quatro anos horrorosos e inimagináveis já se passaram, mas chegará um dia em que as coisas estarão melhores e a democracia prevalecerá, não por doação das elites, mas por vontade do povo.
As duas primeiras notícias abaixo são do El País e da BBC. Não é por acaso que a "grande" imprensa brasileira ignora os acontecimentos que vão contra o golpe; ela participou ativamente do golpe e está comprometida com ele. Assim como a larva jato não foi para combater corrupção, a reforma da Previdência não vai resolver problema nenhum, apenas piorar a vida dos trabalhadores, mas os veículos repetem essa baboseira todos os dias, como idiotas obsessivos. As outras são do GGN, que faz jornalismo sem recursos, mas com dignidade.

Mobilização por educação confronta bolsonaristas nas redes e testa força nas ruas
'Não podemos ignorar o Estado fuzilando civis', diz ministra que votou por prisão de militares que mataram músico e catador
Dia Nacional de Greve na Educação: manifestações ocorrem em todo o país
Economistas destroem ‘mitos’ da ‘reforma’ da Previdência e lançam manifesto
Jornalismo convencional defende educação, mas se isenta de questionar reforma da previdência

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.