segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

O direito argentino às Malvinas

Do Diário do Centro do Mundo.
Por que a reivindicação da Argentina sobre as Malvinas é legítima 
Richard Gott.
Em novembro de 1968, viajei para as Malvinas com um grupo de diplomatas no que foi a primeira e última tentativa da Grã-Bretanha de tentar um acordo sobre as ilhas. Mr. Chalfont, então no gabinete das Relações Exteriores, foi o líder da expedição. Ele teve a árdua tarefa de tentar convencer os 2 mil habitantes da ilha de que o império britânico podia não durar para sempre – e que eles deveriam ter a noção de que seria melhor ser amigável com o seu vizinho próximo, a Argentina, que há muito tempo reivindicava as ilhas. Este foi o momento em que a Grã-Bretanha estava abandonando a sua política "a leste de Suez" por razões financeiras, e pensando em formas de liquidação dos resíduos do seu império.
Nós já tínhamos deportado à força os habitantes de Diego Garcia, em 1967, sem muita publicidade hostil, e os estabelecemos nas ilhas Maurício e Seychelles, entregando suas ilhas para os norte-americanos construírem uma base aérea gigante. As Falklands foram as próximas da lista. Talvez os ilhéus pudessem ter recebido dinheiro para criar fazendas de ovelhas na Nova Zelândia.
Em pouco mais de dez dias, visitamos cada fazenda nas duas ilhas principais. Nós fomos recebidos em todos os lugares com as mesmas mensagens: "Chalfont Go Home" e, às vezes, "Queremos continuar britânicos".
Os ilhéus foram inflexíveis. Eles não queriam nada com a Argentina, e Chalfont deixou-os com a promessa de que nada aconteceria sem o seu consentimento. Quatorze anos depois, em 1982, a Grã-Bretanha e a Argentina estavam em guerra por causa das ilhas, e quase mil pessoas perderam suas vidas. As pessoas às vezes me perguntam por que os argentinos fazem tanto barulho sobre as ilhas que eles chamam de Malvinas. A resposta é simples. As Malvinas pertencem à Argentina. Só aconteceu de elas serem capturadas, ocupadas, povoadas e defendidas pela Grã-Bretanha. Porque a reivindicação da Argentina é perfeitamente válida, sua disputa com a Grã-Bretanha nunca terminará.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.