segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

A justiça dos coronéis

Se tem uma pergunta à qual qualquer brasileiro sabe responder é: a quem serve a justiça? Depois do julgamento do "mensalão" vale tudo, até texto de ficção dá cadeia.

Do Brasil de fato.
Ministério Público denuncia jornalista por texto ficcional 
O Ministério Público de Sergipe denunciou criminalmente o jornalista José Cristian Góes, no último dia 23, por causa de um texto ficcional sobre coronelismo. O desembargador do Tribunal de Justiça do Estado, Edson Ulisses, é autor da ação e acusa Góes de ter ofendido a sua honra. Segundo a ação, o jornalista chamou o desembargador de "jagunço" e a sua mulher, irmã do governador Marcelo Déda (PT), de "feia". A crônica, entretanto, sequer cita o nome e a função do desembargador.A passagem "chamei um jagunço das leis, não por coincidência marido de minha irmã" é causadora da polêmica (Leia aqui, na íntegra, o texto Eu, o coronel em mim). Góes propôs escrever um novo texto esclarecendo que jamais havia feito referência a pessoas concretas ou ao desembargador, mas Edson Ulisses rejeitou a proposta. O desembargador também negou a possibilidade de diálogo e acordo para que o processo não fosse adiante.
Diante do quadro, o MP propôs ao jornalista que aceitasse pagar três salários mínimos ou cumprir três meses de prestação de serviços à comunidade. A transação penal, uma espécie de confissão do crime, foi recusada pelo jornalista. "Em hipótese alguma aceito que cometi crime quando escrevi um texto ficcional que fala de um coronel irreal. Não aceito porque jamais citei, nem direta e nem indiretamente, o senhor Edson Ulisses. A prova é o texto", disse. Diante disso, o MP denunciou criminalmente Góes.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.