sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

O controle privado da internet

Reflexões sobre a internet, as redes sociais e os interesses do capital.

Da Agência Carta Maior. 
A batalha da esquerda e as redes sociais  
Pascual Serrano* – Rebelión
Havana – As novas tecnologias, a internet e as redes sociais têm chegado à sociedade com uma auréola de democratização, participação e igualdade que levou concomitantemente uma fascinação progressista unida ao caráter inovador inerente da tecnologia. Aparatos, suportes e formatos fascinantes tecnologicamente – como toda tecnologia inovadora – que também resultavam igualitárias e baratas, libertadoras, na medida em que pareciam romper o monopólio da difusão dos grandes grupos de comunicação e grandes empresas.
Não se podia querer outra coisa. E não negaremos que parte de tudo isso é verdade. Mas a questão é que existem muito mais elementos ao redor das novas tecnologias para o que devemos estar preparados; e é necessário discutir criticamente esse mito progressista que envolve esse novo fenômeno comunicativo.
Devemos nos perguntar se as redes sociais são um instrumento de socialização ou, pelo contrário, de isolamento. Já sabemos que 39% dos usuários dessas redes passam mais tempo socializado por meio desses canais do que com outras pessoas, cara a cara. As motivações que levam ao uso da rede e seus conteúdos, o exibicionismo da intimidade, a vaidade e o egocentrismo são prioritários em redes como Facebook em detrimento do interesse de formar-se cultural ou intelectualmente.
Pensa-se que os formatos dessas redes são um fenômeno de revolução popular com signo progressista, mas, como na maioria dos produtos culturais promovidos pelo mercado moderno, o domínio segue sendo o da frivolidade.
Um estudo do Twitter mostrou, em 2012, que o os picos de atividade coincidiram com os gols da Eurocopa, quando os usuários o usaram para comemorá-los (veja nota 1 abaixo). O jogador Fernando Torres tinha 318.714 seguidores no Twitter, e o único tweet que tinha escrito na rede era um em inglês, meio ano antes, dizendo algo como "ainda não comecei no Twitter, mas esta é a minha página oficial e já está pronta para quando chegar o momento oportuno". Centenas de milhares de pessoas estavam seguindo alguém que nada dizia.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.