domingo, 29 de setembro de 2013

Presidente Mujica na ONU: "primeira tarefa é salvar a vida humana"

Enfim um presidente que não perde tempo fazendo discursos de ficção e diz o que todos sabemos, mas os donos do poder, que vivem na fantasia, insistem em não ver.

Do Portal Vermelho.
Pepe Mujica: "deus mercado organiza a economia e a felicidade"
Vanessa Silva
Aos jornais uruguaios, Mujica prometera um "discurso exótico" e de fato fugiu do protocolo ao dizer que "tem angústia pelo futuro" e que nossa "primeira tarefa é salvar a vida humana". "Sou do Sul e carrego inequivocamente milhões de pessoas pobres na América Latina, carrego as culturas originárias esmagadas, o resto do colonialismo nas Malvinas, os bloqueios inúteis a Cuba, carrego a consequência da vigilância eletrônica, que gera desconfiança que nos envenena inutilmente. Carrego a dívida social e a necessidade de defender a Amazônia, nossos rios, de lutar por pátria para todos e que a Colômbia possa encontrar o caminho da paz, com o dever de lutar pela tolerância."
A humanidade sacrificou os deuses imateriais e ocupou o templo com o "deus mercado, que organiza a economia, a vida e financia a aparência de felicidade. Parece que nascemos só para consumir e consumir. E quando não podemos, carregamos a frustração, a pobreza, a autoexclusão". No mesmo tom, ressaltou o fracasso do modelo adotado no capitalismo: "o certo hoje é que para a sociedade consumir como um americano médio seriam necessários três planetas. Nossa civilização montou um desafio mentiroso".
Para o mandatário, que já havia surpreendido o mundo com seu discurso durante a Rio+ 20, criamos uma "civilização que é contra os ciclos naturais, uma civilização que é contra a liberdade, que supõe ter tempo para viver, (…) é uma civilização contra o tempo livre, que não se paga, que não se compra e que é o que nos permite ter tempo para viver as relações humanas", porque "só o amor, a amizade, a solidariedade, e família transcendem". "Arrasamos as selvas e implantamos selvas de cimento. Enfrentamos o sedentarismo com esteiras, a insônia com remédios. E pensamos que somos felizes ao deixar o humano."
Mujica defendeu a utilidade da produção de recursos no mundo: temos que "mobilizar as grandes economias não para produzir descartáveis com obsolescência programada, mas para criar coisas úteis para a população mundial. Muito melhor do que fazer guerras. Talvez nosso mundo precise de menos organismos mundiais, destes que organizam fóruns e conferências. E que no melhor dos casos ninguém obedece". "O que uns chamam de crise ecológica é consequência da ambição humana, este é nosso triunfo e nossa derrota."
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.