segunda-feira, 18 de março de 2013

Página 12 e o papa hermano

  

O jornal que incomodou o papa hermano é o jornal que os brasileiros não tiveram. Aqui, jornais alternativos, nanicos, de esquerda prosperaram durante a ditadura, quando os grandes jornais capitularam (Estadão) ou colaboraram abertamente (Folha, Globo) com a ditadura. Quando veio a redemocratização, jornalistas e leitores confiaram em que os grandes exerceriam o papel de informar livre e democraticamente (o melhor exemplo dessa época foi a Folha, que anos antes emprestava carros para torturadores e passou a apoiar a campanha Diretas já). Ledo engano. Hoje vemos no que Folha, Veja, Globo, Estadão e outros menores se transformaram. Faltou e falta ainda um Página 12 no Brasil.

Da Agência Carta Maior. 
O jornal que incomoda fardas e batinas
Na manhã seguinte ao anúncio de um Papa argentino, o jornal Página 12 sacudiu Buenos Aires com a manchete: "!Dios, Mio!"
Na 6ª feira, dois dias depois, como relata o correspondente de Carta Maior, Eduardo Febbro, direto do Vaticano, o porta-voz da Santa Sé reclamou do que classificaria como ‘acusações caluniosas e difamatórias’ envolvendo o passado do Sumo Pontífice.
Em seguida atribui-as a "elementos da esquerda anticlerical".
Alvo: o Página 12.
Com ele, seu diretor, o jornalista Horácio Verbitsky, autor de um livro sobre o as suspeitas que ensombrecem a trajetória do cardeal Jorge Mário Bergoglio, durante a ditadura argentina.
A cúpula da Igreja acerta ao qualificar o Página 12 como "de esquerda" – algo que ostenta e do qual se orgulha praticando um jornalismo analítico, crítico, ancorado em fatos.
Mas erra esfericamente ao espetá-lo como "anticlerical".
O destaque que o jornal dispensa ao tema dos direitos humanos não se restringe ao caso Bergoglio.
Fundado ao final da ditadura, em maio de 1987, o Página 12 é reconhecido como o grande ponto de encontro da luta pelo direito à memória na Argentina.
No crepúsculo da ditadura militar, um grupo de jornalistas de esquerda vislumbrou a oportunidade de criar um veículo enxuto, no máximo 12 páginas (daí o nome), mas dotado de densa capacidade analítica.
E, sobretudo, radicalmente comprometido com a redemocratização e com os seus desafios.
A receita das 12 páginas baseava-se num cálculo curioso.
Era o máximo que se conseguiria produzir com qualidade naquele momento; e o suficiente para a sociedade reaprender a refletir sobre ela mesma.
A fidelidade a essa diretriz (hoje o total de páginas cresceu e a edição digital tem mais de 500 mil acessos/dia) levou-o, naturalmente, a investigar os crimes da ditadura.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.