quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

A rapidez da justiça

Para condenar um morador de rua. Quase seis anos de prisão. E ele nem cometeu o crime, só tinha a "intenção" (de provocar incêndios), segundo polícia e juiz. Usaria para isso dois perigosos explosivos: uma garrafa de água sanitária e outra de pinhossol! Já pensou a mesma rapidez da justiça para condenar moradores de mansões? Já pensou a mesma eficiência da polícia para prender em flagrante ricos criminosos? Aí seria a democracia...

Da Agência Brasil.  
Morador de rua preso em protesto é condenado a cinco anos de prisão 
Akemi Nitahara 

Rio de Janeiro – A Justiça do Rio condenou a cinco anos de prisão o morador de rua Rafael Braga Vieira, preso em flagrante na madrugada do dia 21 de junho, após a manifestação que reuniu 300 mil pessoas na Avenida Presidente Vargas. Ele estava com "dois frascos contendo substância inflamável com pedaços de pano presos em seu bocal, conhecidos como coquetel-molotov", como descreve a sentença do juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte.
Rafael foi preso por policiais da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima que o viram entrar com uma mochila em uma loja abandonada em frente à unidade, na Praça 11, e sair com as duas garrafas de plástico na mão. Ele continua preso preventivamente.
Na sentença, o juiz afirma que o réu tinha intenção de provocar um incêndio. "Vale destacar que as circunstâncias em que ocorreu a prisão, ou seja, enquanto ocorria uma enorme manifestação popular, com concentração aproximada de 300 mil pessoas na Avenida Presidente Vargas, conforme amplamente divulgado na mídia, e no mesmo dia em que ocorreu confronto com as forças policiais, deixam claro que o intento do réu não seria outro senão o de proceder ao incêndio de qualquer objeto ou pessoas."
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.