segunda-feira, 7 de abril de 2014

As medidas "amargas" e "impopulares" que Aécio e Campos tomarão se forem eleitos

O que é de fato impopular é a militarização da segurança pública com uso não só das polícias militares, mas também do Exército, que nada mais é do que o uso das Forças Armadas para reprimir o povo, os pobres, os trabalhadores.
Nas favelas, no dia a dia, na próxima Copa.
Mas nisso, Aécio e Campos estão do mesmo lado do governo do PT.

Do blog do PML via Viomundo.  
Impopulares e amargos em 2014 
O espantoso, na campanha, é que candidatos falam em medidas que prejudicam a maioria dos eleitores e nada acontece
por Paulo Moreira Leite, no seu blog

Só pode haver algo muito errado numa campanha eleitoral na qual um candidatos de oposição diz que não tem medo de tomar "medidas impopulares" e nada acontece.
Assessores de outro candidato de oposição, informa o Pedro Venceslau no Estado de S. Paulo de hoje, admitem em voz baixa que apoiam "medidas amargas".
Vamos combinar.
Até por uma questão de respeito por cada um de nossos 100 milhões de eleitores, em especial a imensa maioria que é alvo de medidas impopulares e amargas, seria bom saber o que se quer dizer com isso.
Fazendo uma imagem para facilitar o entendimento, vou colocar a coisa em termos bem populares.
É como um sujeito que chega para jantar de luxo, avisa que dentro de alguns minutos pretendem passar na cozinha para bater a carteira dos empregados e nenhum convidado pergunta: como assim?
Eles vão deixar?
Na lata? E ainda manda aviso prévio?
Quantos reais podem ser extraídas do bolso de cada brasileiro quando um governante pretende tomar medidas "impopulares?"
Quanto valem os "amargos?"
Este é o debate que importa, não?
Em situações normais, nossos New York Times, Guardian, CNN, El País, Le Monde não deixariam passar uma notícia dessas. Na disputar pelo olhar do público, teriam transformado uma afirmação dessas num escândalo.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.