domingo, 15 de julho de 2012

Reeleito, Lacerda trocaria o PSB pelo PSDB

É o que se deduz da notícia publicada no blog do Ilimar Franco no Globo e que foi replicada na internet. O colunista diz que Aécio prometeu apoio a Lacerda para governador em 2014 e que esta seria a razão do rompimento do prefeito com o PT. O acordo só faz sentido se Lacerda trocar o PSB pelo PSDB depois de eleito. O apoio de Aécio a Lacerda não tem a menor importância mas é exemplar da forma como o senador tucano faz política. Ele só tem a ganhar.
Há quatro anos Aécio prometeu e não cumpriu apoiar para governador o petista Pimentel, coitado, que nem ao Senado chegou porque o tucano ainda ajudou a pôr lá o falecido Itamar. E nem pôde ser acusado de traição, porque nem ele foi candidato a presidente, o que seria a contrapartida do apoio a Pimentel. Da mesma forma, Aécio não poderia negar apoio a Itamar, pois tinha uma dívida de gratidão com o ex-presidente, que tirou Eduardo Azeredo do seu caminho em 1998 e depois lhe entregou o governo, em 2002, renunciando à reeleição. Aécio deve tanto a Itamar quanto ao seu avô Tancredo.
Entretanto, em 2010, Aécio já se beneficiava do acordo com Pimentel havia dois anos: Lacerda foi o cavalo de troia que o tucano usou para penetrar na fortaleza do PT em Minas Gerais, a prefeitura de Belo Horizonte. Apesar de Lacerda ser do PSB e o vice-prefeito Roberto Carvalho, do PT, é o PSDB de Aécio que governa de fato a capital. Lacerda nomeou tucanos para os cargos de secretários adjuntos e adota desde 2009 o neoliberalismo tucano, tendo esvaziado todas as políticas sociais petistas. Aécio entrega a mercadoria a prazo, mas recebe o pagamento à vista.
Com o acordo de 2008, Aécio penetrou a fortaleza petista, que lhe resistia desde 1992, quando Patrus Ananias foi eleito prefeito e Aécio amargou um terceiro lugar, sequer foi para o segundo turno. Mais que isso, dividiu os petistas e anulou Pimentel, seu mais forte rival na cena estadual. Nem candidato a governador nem senador, a Pimentel restou ser contemplado com um cargo de confiança no governo da amiga Dilma Rousseff. Ficou nas mãos de Lacerda, que detém o poder municipal, e da boa vontade de Aécio. Não podia romper com os dois sem evidenciar que foi passado para trás e sem perder o pouco de poder que conservava, isto é, os cargos na prefeitura.
Aécio, ao contrário, só ganhou. Não foi candidato a presidente em 2010, mas ainda pode ser em 2014. Elegeu Anastasia, emplacou o fiel Zezé Perrela, que ganhou a sorte grande com a morte de Itamar e tem agora o melhor emprego da República, assim como outro suplente que assumiu com a morte do titular (Eliseu Resende), o senador Clésio Andrade. Este foi vice-governador no primeiro mandato de Aécio.
Em outras palavras, Aécio é o rei de Minas Gerais e não tem rival, uma vez que Itamar morreu e Pimentel desapareceu. Hélio Costa mostrou sua fraqueza pela segunda vez em 2010. Se Pimentel tivesse sido eleito senador, mostraria força e poderia ser temido, por isso foi importante (para Aécio) a eleição de Itamar, o único nome capaz de derrotar o petista.
E agora Aécio repete a história, prometendo apoiar Lacerda em 2014. O tucano pode estar enganando mais um. Mais uma vez ele só tem a ganhar. Em primeiro lugar, o rompimento de Lacerda com o PT tira os adversários petistas definitivamente da prefeitura, deixando pelo menos um semestre para atuação livre e plena dos tucanos. Em segundo lugar, põe Lacerda nas mãos de Aécio, como aconteceu antes com Pimentel.
Para ter o apoio de Aécio em 2014, Lacerda terá, antes, de vencer a eleição deste ano. Em 2008 ele se elegeu com dificuldade mesmo tendo apoio do prefeito Pimentel e do governador Aécio. Este ano será capaz de se reeleger sem o apoio do PT, contra seu criador Pimentel e ainda contra Patrus, o prefeito que começou a série de administrações das quais Lacerda se beneficiou, o deputado eleito com a maior votação da história da capital, o mais importante ministro da área social do governo Lula?
Para vencer a eleição deste ano, Lacerda terá de mostar o que até agora não teve: competência. O que se diz é que seu governo foi um desastre, que sua habilidade política é zero e no contato com o povo o prefeito é uma negação. Dificilmente será reeleito como "poste" outra vez, o poste do Aécio, com base apenas no apoio do senador tucano. Se conseguir se reeleger, será por mérito próprio. Neste caso, será naturalmente candidato a governador em 2014, como todo prefeito da capital é. Na verdade, o apoio imprescindível para ele em 2014 seria do governador Anastasia, que não pode ser reeleito. Mas para isso o PSDB teria de abrir mão de lançar candidato. A não ser que... Lacerda seja o candidato do PSDB...
É o que pode estar implícito na candidatura Lacerda deste ano. Para receber o apoio de Aécio em 2014, Lacerda precisa manter a prefeitura (em 2008 Pimentel teve de entregar a prefeitura), mas é preciso também que ele, Aécio, seja candidato a presidente, o que ainda não conseguiu, pois a resistência paulista continua, e se Serra vencer este ano, permanecerá vivo. Ou seja, é um acordo no qual Aécio não em nada a perder, assim como em 2008. Se Lacerda não for reeleito, não tem acordo; se Aécio não for candidato, não tem acordo. Se Lacerda for reeleito, seu apoio a Aécio será tão importante ou até mais do que o apoio do tucano a ele.
Ainda mais considerando que o partido do Lacerda, o PSB, é aliado nacional do PT e deverá apoiar a reeleição de Dilma. No entanto, o partido cresceu muito, deve crescer ainda mais este ano e cogita lançar candidato próprio -- o governador de Pernambuco, Eduardo Campos -- em 2014. De fato, as relações entre PT e PSB andam estremecidas, mas romper com o PT é uma coisa e apoiar Aécio é outra. Por que Campos trocaria Dilma por Aécio?
Pelo acordo com Aécio, no entanto, Lacerda subiria no palanque com o tucano, este candidato a presidente. Não seria possível que, tendo o PSB candidato próprio ou apoiando a reeleição da presidente Dilma, Lacerda seja o candidato "socialista" ao governo do Estado, apoiado por Aécio e apoiando-o para presidente.
Lacerda foi secretário do governador Aécio e transformou a prefeitura de Belo Horizonte num ninho tucano. É razoável supor que troque o PSB pelo PSDB, senão já em 2013, dentro do prazo legalmente necessário para que torne o candidato tucano ao governo de Minas. Um forte candidato, prefeito da capital e apoiado por Aécio. Aécio só tem a ganhar. Antes, no entanto, Lacerda tem de ser reeleito.

Do blog do Ilimar Franco.
A aposta de Aécio
O prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), é o candidato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) para a sucessão do governador Antônio Anastasia em 2014. Em troca, Lacerda vai abrir seu palanque para a candidatura presidencial de Aécio. Por isso, eles não quiseram um petista na vice de Lacerda. Seu adversário será o ministro petista Fernando Pimentel (Desenvolvimento). A sucessão mineira implodiu a aliança local PT-PSB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.