segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Mais sobre o livro do ano: "A privataria tucana"

Por que será que esse escândalo, muito mais importante e muito mais comprovado, não vira capa da Veja? Por que a velha imprensa brasileira não denuncia corrupção dos seus amigos? A resposta a presidente da Associação Nacional de Jornais já deu no ano passado. Mesmo ignorado pela "grande" imprensa, o livro já vendeu 30,5 mil exemplares.

Do blog Escrevinhador.
A fala de Amaury, o livro e a CPI
por Rodrigo Vianna
Participei da tuitcam com Amaury Ribeiro Jr, na última sexta-feira (9/12/11). O autor (que é também jornalista) estava um pouco exaltado no início do bate-bapo. Cheguei a pensar: a editora deveria ter preparado melhor isso, com um formato mais organizado, combinado com o Amaury como se portar. Depois, percebi que isso era fruto de minha cabeça "viciada" de TV. Aquilo não era um programa de TV. Era um papo na internet. Amaury se mostrou como é: ele fala meio enrolado (como sabem todos os que convivem com ele), exalta-se facilmente, parece perder-se na miudeza dos fatos, mas de repente engata um raciocnio complicado sobre o sistema de lavagem de dinheiro – que conhece profundamente. E revela a grandiosidade da investigação que conduziu. O Amaury é assim! A tuitcam serviu para mostrá-lo como é, sem retoques. E é preciso entender o que o Amaury passou ano passado. A imprensa tentou trucidá-lo, transformá-lo num bandido. Ele, que tinha trabalhado nas principais redações do país, foi transformado no pivô de um história que o serrismo e seus parceiros da mídia usaram pra tentar virar a eleição. Por isso, quando abri a conversa perguntando pro Amaury "quem é mais importante nessa história, Ricardo Sergio ou Serra?", ele respondeu: "a imprensa, a mídia". O resultado das mais de duas horas de convesa com o Amaury foi um volume brutal de informações – que deve ter deixado ainda mais gente com vontade de ler o já famoso "A Privataria Tucana". Ainda durante a tuitcam, soubemos da capa da "Veja" – com a denúncia contra petistas de Minas (oh, santa coincidência) que teriam encomendado arapongagens contra tucanos (pobrezinhos). Essa é a "Veja". A capa foi o primeiro tiro de Serra no contra-ataque ao livro do Amaury. O curioso é que, no bate-papo com os blogueiros Amaury tinha avisado que essa é uma prática do serrismo: quando se sente acuado, cria uma situação para desviar o foco das atenções; costuma acusar os adversarios daquilo que faz. Por isso, Serra (que segundo Amaury usa e abusa dos dossiês) passou várias semanas na campanha de 2010 acusando os adversários de prepararem dossiê contra ele. O contra-ataque na Veja parece seguir essa linha. Nas próximas semanas, podemos esperar: campanhas de desqualificaçãos (mini dossiês contra Amaury e outros que tiveram a coragem de ajudar a preparar esse livro histórico), ataques contra setores do PT e contra o aecismo (que Serra acredita estar por trás de Amaury), mas também muitas novidades a partir do que o livro mostrou.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.