terça-feira, 14 de outubro de 2014

Gregório Duvivier (Porta dos Fundos) vota contra a campanha do ódio

A "militância de jipe" também faz estardalhaço em BH.
Mas começam a aparecer os jovens que foram às ruas e que não são da direita preconceituosa, racista e reacionária.
Para mudar, o melhor voto é em Dilma.
Outro voto é o mudancismo, para voltar no tempo, e a favor do ódio, como diz o ator.
São os jovens que querem realmente mudar e os pobres que estão se beneficiando das mudanças dos últimos 12 anos que darão a vitória a Dilma no dia 26.

Do Brasil 247.
Duvivier critica pressão para votar em Aécio

Humorista Gregorio Duvivier diz que se sente em “terra estrangeira” com a massiva campanha do tucano Aécio Neves no Rio de Janeiro: “Se quem defende causas humanitárias e direitos civis é tachado de petista, não me resta outra opção senão aceitar essa pecha”

13 de Outubro de 2014 às 05:41

247 – O humorista Gregorio Duvivier diz que se sente em “terra estrangeira” diante da pressão da companha pelo voto em Aécio Neves (PSDB) no Rio de Janeiro. Ele diz que não votou nem manifestou apoio ao PT, “mas parece que, aos olhos do mundo (ou, ao menos, do Leblon), tenho uma estrela no braço. Por algum motivo, represento o inimigo. A realidade é dura: moro em terra estrangeira”.
‘Nos postes da cidade, os adesivos se multiplicam. "Aqui se vota Aécio". Você, que não vota como o poste: ame o Rio -- ou deixe-o. Aqui não é sua área. Aqui se brinda pelo fim da maioridade penal. Aqui a gente cansou da corja do PT e quer gente nova --mas logo quem? O mensalão tucano, a compra da reeleição, o aeroporto, o helicóptero, tudo virou pó’, ironiza.
Diz ainda que votaria nulo, “mas a militância de jipe e os comentaristas de portal não me dão essa opção. Se quem defende causas humanitárias e direitos civis é tachado de petista, não me resta outra opção senão aceitar essa pecha” (leia aqui).
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.