sábado, 26 de novembro de 2011

Governo Anastasia e deputados impõem derrota à educação pública em Minas Gerais

É o resultado da aprovação do substitutivo do governo pela Assembleia, quarta-feira passada. O governador Anastasia e a secretária da Educação Ana Lúcia Gazola fizeram acordo para o fim da greve, em setembro passado, mas não cumpriram sua palavra. Além de não pagar o piso salarial determinado por lei e pelo Supremo Tribunal Federal, o governo foi além: cortou biênios, triênios, quinquênios e gratificações, enfim, aqueles penduricalhos que melhoravam o vergonhoso salário de R$ 369 pago aos professores estaduais mineiros. O governo Aécio-Anastasia poupa dinheiro da educação para gastar com publicidade e pagar a dívida de construção do Shopping Adminstrativo. Veja aqui os deputados que são contra a educação e guarde seus nomes. Alguns deles têm pretensão de se eleger prefeito e até governador. Dois são ex-craques que decepcionam os atleticanos: João Leite (PSDB) e Marques (PTB).

Do Blog da Beatriz Cerqueira.
Quarta-feira, 23 de novembro de 2011
Se o dia de hoje pudesse ser resumido em vitória do Governo e derrota do Sindicato, as consequências estariam restritas ao placar de um jogo político. Mas a realidade da escola pública mineira, o que inclui a situação de seus profissionais, não é um jogo político e com o resultado da votação do projeto de lei substitutivo no. 5, todos que defendem uma educação pública de qualidade perderam. Resta saber quem saiu vitorioso com o resultado deste dia. Foram 12 horas ininterruptas de discussão no plenário da Assembleia Legislativa. A categoria optou por sair do subsídio. O Governo do Estado assinou um documento se comprometendo a aplicar o Piso Salarial na carreira. O Governador Antônio Anastasia não cumpriu o compromisso que assumiu. Nesta noite de quarta-feira 51 deputados estaduais aprovaram o projeto de lei do governo tornando obrigatório o subsídio a partir de janeiro de 2012. A categoria perde novos biênios, quinquênios, trintenários, gratificação de regência, etc., perde o Piso Salarial Profissional Nacional.
Estes deputados estaduais votaram pela retirada de direitos da categoria e aprovaram o projeto de lei do subsídio: Alencar da Silveira Junior, Ana Maria Resende, Anselmo José Domingos, Antônio Carlos Arantes, Antônio Genaro, Antônio Lenin, Arlen Santiago, Bonifácio Mourão, Bosco, Célio Moreira, Dalmo Ribeiro, Deiró Marra, Délio Malheiros, Doutor Viana, Doutor Wilson Batista, Duilio de Castro, Carlos Henrique, Carlos Mosconi, Cássio Soares, Fabiano Tolentino, Fábio Cherem, Fred Costa, Gilberto Abramo, Gustavo Corrêa, Gustavo Valadares, Gustavo Perrella, Hélio Gomes, Henry Tarquinio, Inácio Franco, Jayro Lessa, João Leite, João Vitor Xavier, José Henrique, Juninho Araújo, Leonardo Moreira, Luiz Carlos Miranda, Luiz Henrique, Luiz Humberto Carneiro, Luzia Ferreira, Marques Abreu, Neider Moreira, Neilando Pimenta, Pinduca Ferreira, Romel Anízio, Rômulo Veneroso, Rômulo Viegas, Sebastião Costa, Tenente Lúcio, Tiago Ulisses, Zé Maia, Duarte Bechir.
Quando em janeiro de 2012 você perder os direitos de carreira que já adquiriu ou quando os profissionais de outros estados e municípios tiverem reajuste de 16% e Minas não praticar este reajuste, questionaremos os deputados estaduais que votaram contra a categoria.
Estes deputados estaduais defenderam a categoria: Adalclever Lopes, Adelmo Carneiro Leão, Almir Paraca, André Quintão, Antônio Júlio, Bruno Siqueira, Carlin Moura, Celinho do Sinttrocel, Durval Ângelo, Elismar Prado, Ivair Nogueira, Liza Prado, Maria Tereza Lara, Paulo Guedes, Pompilio Canavez, Rogério Correia, Rosângela Reis, Sávio Souza Cruz, Tadeu Leite, Ulisses Gomes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.