sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O desastre ambiental na Bacia de Campos se assemelha ao no Golfo do México

Petroleira americana demonstra mesma irresponsabilidade da BP. Como será a exploração do pré-sal?

Do Greenpeace.
O tamanho do estrago
Completada uma semana desde que veio a público o derrame de petróleo da empresa Chevron no Campo de Frade, na Bacia de Campos, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) finalmente se pronunciou e estima que o vazamento possa chegar a mais de 330 barris, ou mais de 50 mil litros de petróleo a cada 24 horas. Primeiro vazamento desse tipo no Brasil, o acidente reproduz a história do Golfo do México. Por sinal, a plataforma SEDOC 706, que perfura os três poços da Chevron de onde saiu o vazamento, é da mesma empresa que operava com a BP no triste episódio mexicano, a Transocean. A área da mancha de óleo avistada em alto-mar, e que já foi detectada pelos satélites da Nasa, foi estimada pela Chevron no último domingo em 163 quilômetros quadrados. No entanto, após ver as imagens divulgadas pela Nasa, o geógrafo John Amos, diretor do saite SkyTruth, especializado em interpretação de fotos de satélites com fins ambientais, concluiu que o derrame pode chegar a 3.738 barris por dia, mais de dez vezes o que a ANP afirmou. Com isso, não se pode confiar em mais nada. "A causa ainda é desconhecida. A Chevron declara que o vazamento é resultado de uma falha natural na superfície do fundo do mar, e não no poço de produção no campo de Frade. Mas essa falha natural não aparecia no Estudo de Impacto Ambiental (EIA). O que aconteceu em Frade para a 'falha natural' começar a jorrar petróleo? Onde está o EIA de Frade, para que a população possa acessá-lo?", questiona Leandra Gonçalves, da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace.
A íntegra.

Da Agência Brasil.
Mancha de óleo na Bacia de Campos está diminuindo e se afastando da costa
A mancha de óleo na Bacia de Campos, provocada pelo vazamento em um campo de exploração de petróleo da Chevron está diminuindo de tamanho e continua se afastando da costa. A informação é da Marinha do Brasil e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que sobrevoaram hoje (18/11) a região do vazamento, no litoral norte do Rio de Janeiro. As autoridades estimam que a mancha tem 18 quilômetros de extensão e 11,8 quilômetros quadrados (km²) de área. Na terça-feira (14/11), a área da mancha era 13 km². No entanto, a maior parte do óleo está concentrada um metro abaixo da superfície do mar, e não pode ser vista no sobrevoo. Os dados de satélites, mais adequados nesse caso, indicam que no dia 14 a extensão da mancha chegava a 68 km, com cerca de 160 km² de área.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.