terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Programa Um milhão de cisternas continua, pelo menos por enquanto

No primeiro ano do seu governo a presidente Dilma anunciou o fim do programa Um milhão de cisternas, criado no governo Lula e que foi uma dessas medidas simples mas de grande impacto social, pois golpeou mortalmente a indústria da seca no Nordeste. No governo Dilma, em vez da promover a construção de cisternas pelas comunidades, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome passaria a distribuir 300 mil cisternas de plástico -- ou seja: em vez de contratar pedreiros e envolver as comunidades, o programa distribuiria fartos recursos para fornecedores industriais e entregaria o benefício pronto. A informação provocou protestos e mobilizações de trabalhadores, que fizeram o governo voltar atrás, pelo menos provisoriamente. É uma queda de braço entre o novo e o atraso, entre uma ONG séria e grandes empresas, entre o direito e a corrupção, e sinaliza o rumo do governo.

Do saite da ASA.
MDS e ASA sinalizam continuidade da parceria
2/1/2012
O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e a Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) sinalizam pela continuidade da parceria no programa de cisternas. Reunião realizada na última sexta-feira, na sede do MDS, em Brasília, apontou "pistas de saída do impasse", segundo as palavras de Naidison Baptista, coordenador executivo da Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA). "Eu acho que nós saímos do impasse em que estávamos e concretizamos, na reunião, elementos que indicam a continuidade da parceria", comentou. "Temos uma parceria de sucesso e precisamos seguir avançando para levar água às famílias mais pobres", disse a ministra Tereza Campello, em nota veiculada no saite do ministério. A reunião teve ao menos dois resultados concretos: a aprovação de um aditivo de R$ 6,5 milhões no atual contrato e sua prorrogação para 30 de abril de 2012. Ficou decidido, também, que no dia 3 de janeiro o MDS e a ASA realizarão um encontro de trabalho para definir os termos da continuidade da parceria.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.