quarta-feira, 17 de julho de 2013

Ponte Otávio Frias vira Ponte Vladimir Herzog

"Chega de tevê para político babaca! A gente tá lutando por uma mídia sem catraca!"

No protesto contra a Globo, manifestantes mudam nome da ponte que homenageia falecido dono da Folha que emprestava carros para a ditadura transportar presos políticos torturados para "Ponte Vladimir Herzog", jornalista que foi morto sob tortura nos porões da dita.

Ato com vários significados. Jornalista é uma coisa, dono de jornal é outra, embora estes finjam que não, e muitos daqueles se deixem enganar. Quem homenageou o apoiador da ditadura foram puxa-sacos que não nos representam: vereadores, prefeitos, governadores, deputados; quem homenageia Herzog é o povo das ruas.

Os da ditadura continuam aí no poder, controlando os veículos de comunicação e influentes em governos estaduais tucanos, aproveitando-se das marchas dos outros. Não nos enganemos: o povo que sai às ruas quer mais, a velha imprensa que finge apoiar as manifestações quer menos.

No Rio, a rua onde fica a rede globo também vai mudar de nome: de Irineu Marinho para Leonel Brizola. Justa homenagem ao único político que ousou enfrentar a toda-poderosa. O que Brizola falou continua atualíssimo, mas o que ele fez não pode mais ser feito, porque o STF de Joaquim Barbosa  acabou com o direito de resposta. Basta ver o vídeo abaixo para entender por que. Curiosamente, o STF revogou a Lei de Imprensa atendendo a ação movida por um deputado do PDT, o partido fundado por Brizola: Miro Teixeira, conhecido com amigão da globo e da veja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.