quinta-feira, 4 de julho de 2013

O incidente aéreo com Evo Morales e como o mundo piorou

Há quarenta anos, informações secretas passadas a jornalistas do The Washington Post derrubaram um presidente americano republicano, considerado conservador, e entraram para a história do jornalismo mundial. Hoje, a imprensa não publica nada que comprometa o governo ou o presidente americano, democrata, considerado progressista, informações precisam ser passadas ao Wikileaks, cujo fundador está há um ano asilado na Embaixada do Equador, e um americano que vazou informações está sendo caçado em todo o mundo, a ponto de governos europeus submissos ao império americano impedirem o pouso ou passagem do avião presidencial da Bolívia em seus territórios. As mais básicas liberdades são desrespeitadas e um incidente gravíssimo como este, que poderia levar à morte de um presidente, tornou-se corriqueiro.

Da Agência Carta Maior.  
A covardia europeia contra o presidente Evo Morales 
Por Eduardo Febbro
Os europeus são incorrigíveis. Para não ficar mal com o império norteamericano são capazes de violar todos os princípios que defendem nos fóruns internacionais. O presidente boliviano Evo Morales foi o último a experimentar as consequências dessa política de palavras solidárias e gestos mesquinhos. Um rumor infundado sobre a presença no avião presidencial boliviano do ex-membro da Agência Nacional de Segurança (NSA) norteamericana, o estadunidense Edward Snowden, conduziu a um sério incidente diplomático aeronáutico entre Bolívia, França, Portugal e Espanha.
Voltando de Moscou, onde havia participado da segunda cúpula de países exportadores de gás, realizada na capital russa, Morales se viu forçado a aterrissar no aeroporto de Viena depois que França, Portugal e Espanha negaram permissão para que seu avião fizesse uma escala técnica ou sobrevoasse seus espaços aéreos. Os “amigos” do governo norteamericano avisaram os europeus que Morales trazia no avião Edward Snowden, o homem que revelou como Washington, por meio de vários sistemas sofisticados e ilegais, espionava as conversações telefônicas e as mensagens de internet da maioria do planeta, inclusive da ONU e da União Europeia.
O certo é que Edward Snowden não estava no avião de Evo Morales. No entanto, ante a negativa dos países citados em autorizar o sobrevoo do avião presidencial, Morales fez uma escala forçada na Áustria. As capitais europeias coordenaram muito bem suas ações conjuntas para cortar a rota de Evo Morales. Surpreende a eficácia e a rapidez com que atuaram, tão diferente das demoradas medidas que tomam quando se trata de perseguir mafiosos, traficantes de ouro, financistas corruptos ou ladrões do sistema financeiro internacional.
Segundo a informação da chancelaria boliviana, o avião havia obtido a permissão da Espanha para fazer uma escala técnica nas Ilhas Canárias. Essa autorização também foi cancelada e, finalmente, o avião teve que aterrissar no aeroporto de Viena. Segundo declarou em La Paz o chanceler boliviano David Choquehuanca, "colocou-se em risco a vida do presidente que estava em pleno voo". "Quando faltava menos de uma hora para o avião ingressar no território francês nos comunicam que tinha sido cancelada a autorização de sobrevoo." O ministro pediu uma explicação tanto da França quanto de Portugal, país que tomou a mesma decisão que a França.
"Queriam nos amedrontar. É uma discriminação contra o presidente", disse Choquehuanca. Em complemento a esta informação, o portal de Wikileaks também acusou a Itália de não permitir a aterrisagem do avião presidencial boliviano. Em Paris, o conselheiro permanente dos serviços do primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault disse que não tinha nenhuma informação sobre esse assunto. Por sua vez, a chancelaria francesa disse que não estava em condições de comentar ocaso. Bocas fechadas, mas atos concretos.
Ao que parece, todo esse enredo se armou em torno da presença de Snowden no aeroporto de Moscou. Alguém fez circular a informação de que Snowden estava no aeroporto da capital russa com a intenção de subir no avião de um dos países latino-americanos dispostos a lhe oferecer asilo político. Snowden é procurado por Washington depois de revelar a maneira pela qual o império filtrava as conversações no mundo. O chanceler boliviano qualificou como uma "injustiça" baseada em "suspeitas infundadas sobre o manejo de informação mal intencionada" o cancelamento das permissões de voo para o avião de Evo Morales. "Não sabemos quem inventou essa soberana mentira; querem prejudicar nosso país", disse Choquehuanca. "Não podemos mentir à comunidade internacional e não podemos levar passageiros fantasmas", advertiu o responsável pela diplomacia boliviana.
A íntegra.

Do Blog do Planalto. 
Em nota, governo expressa repúdio ao constrangimento imposto ao presidente Evo Morales
A presidenta Dilma Rousseff emitiu nota, nesta quarta-feira (3/7/13), em que expressou repúdio e indignação ao constrangimento imposto ao presidente da Bolívia, Evo Morales. Alguns países europeus impediram o sobrevoo do avião presidencial boliviano por seu espaço aéreo.
Segundo a nota, o constrangimento não atinge somente a Bolívia, mas toda América Latina, comprometendo o diálogo entre os continentes e possíveis negociações entre eles. Dilma ainda afirma que encaminhará iniciativas em todas as instâncias multilaterais para que situações como essa nunca se repitam.
A íntegra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.